Brasil promoverá cafés especiais durante a Olimpíada do Rio de Janeiro

O evento será realizado no Espaço Arte do Café, dentro da Casa Brasil, no Píer Mauá, até 18 de setembro
 

A Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) coordenará trabalhos de promoção dos cafés especiais nacionais durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, no Espaço Arte do Café, dentro da Casa Brasil, no Píer Mauá. A ação será viabilizada através de parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e o Sebrae Nacional. 

 

 
No Espaço, serão feitas apresentações sobre os cafés especiais brasileiros, explorando história, origens produtoras, características e métodos mais interessantes de preparo. “Serão realizadas apresentações individuais dos métodos de preparo e o café selecionado para cada demonstração será oferecido ao público presente. Trata-se do mesmo modelo que utilizamos na Expo Milão, na Itália, também em parceria com a Apex-Brasil, que foi muito bem sucedido”, explica a diretora da BSCA, Vanusia Nogueira. 
 

 

Os cafés que serão apresentados são de parceiros e associados da BSCA e de pequenos produtores apoiados pelo Sebrae, cultivados em diversas regiões produtoras do Brasil. “Considerando a diversidade dos grãos, realizaremos apresentações distintas, com explicações sobre as características próprias da bebida e os produtos referentes a cada uma das regiões de produção e que estão à disposição no mercado”, completa. 
 

 

NÚMEROS DO BRASIL 
 
A BSCA estima que o Brasil produzirá até 8 milhões de sacas de 60 kg de cafés especiais em 2016, o que representa uma fatia de 35,5% da demanda mundial pelo produto, projetada pela Organização InternacionaldoCafé (OIC) em 22,5 milhões de sacas. No ano passado, o País exportou 6,75 milhões de sacas (18% do total nacional de 37 milhões de sacas) e registrou o consumo interno de 1 milhão de sacas de cafés especiais, o que correspondeu a 5% do total de 20,5 milhões de sacas bebidas pelos brasileiros. 

 

 
O principal mercado para os cafés especiais do Brasil são os Estados Unidos, mas os maiores valores pagos pelo produto são obtidos nas vendas para Japão, Coreia do Sul, Austrália e Taiwan. A China desponta como um mercado bastante promissor, apesar de sua pouca tradição no consumo da bebida. Entre 2012 e 2015, por exemplo, as importações totais de cafés especiais pelo país asiático, conforme a OIC, apresentaram crescimento de 29%, chegando a 1,8 milhão de sacas. 

 

 
O Brasil é o líder do ranking global de produção e exportação de café e o segundo maior consumidor da bebida no mundo, atrás apenas dos EUA. O País cultiva o fruto em 23 regiões produtoras, o que permite que sejam produzidos cafés que atendam a todas as demandas e paladares do planeta, sob a bandeira nacional das sustentabilidades econômica, social e ambiental, gerando divisas a todos os segmentos da cadeia produtiva. 

 

  
REGIÕES PRODUTORAS PARTICIPANTES 
 
Para a ação promocional durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, os parceiros da BSCA e o Sebrae selecionaram cafés especiais de 10 regiões produtoras, descritas na sequência. 

 

 
Sul de Minas (MG): o clima e o relevo favoráveis, aliados a uma produção artesanal da bebida, são os segredos da premiada região. Os fatores para o sucesso são a dedicação em todas as etapas da produção, a infraestrutura sólida e os investimentos em pesquisa. No sudoeste dessa localidade, há cidades produtoras como Guaxupé, que tem a maior cooperativa do Brasil, a Cooxupé, e também se destacam Varginha e Três Pontas. O Sul de Minas possui temperatura amena (entre 18 e 20 graus), altitudes elevadas (até 1.400 metros) e tornou-se uma das principais produtoras de cafés especiais do Brasil. Outros municípios cafeeiros são Poços de Caldas e Muzambinho. Características do café: Sudoeste – corpo médio, acidez alta, adocicado, com notas florais e cítricas; Montanhas – corpo aveludado, acidez alta, adocicado, com notas de caramelo, chocolate, amêndoa, cítricas e frutadas. 
 

 

* Indicação de Procedência Mantiqueira de Minas (MG): situada na face mineira da Serra da Mantiqueira, no Sul do Estado de Minas Gerais, a região tem tradição secular na produção de cafés de qualidade. A Mantiqueira é hoje uma das regiões mais premiadas do Brasil. Em 2011, a área foi reconhecida como Indicação Geográfica (IG), na modalidade Indicação de Procedência (IP), por sua tradição e reputação mundial em produzir cafés especiais com perfil sensorial altamente diferenciado. Esses são cafés raros e surpreendentes, que refletem a combinação de um terroir único e do saber fazer local que busca continuamente a excelência. Entre os municípios, destaca-se Carmo de Minas, uma pequena cidade que conquistou muitos prêmios. Outras cidades na região que se destacam em produção são Conceição das Pedras, Paraisópolis, Jesuânia, Lambari, Cristina, Dom Viçoso e Pedralva. Características do café: (i) Via úmida (cereja descascado/despolpado) – notas cítricas e florais, corpo cremoso e denso, acidez cítrica com intensidade média-alta, doçura alta, finalização longa; (ii) Via seca (café natural) – cítrico, floral, frutado, corpo cremoso e denso, acidez média-alta, doçura alta. 
 

 

Matas de Minas (MG): a região surgiu para o mercado de cafés especiais após o início da produção dos grãos cerejas descascados. Atualmente, os produtores estão entre os finalistas dos concursos de cafés especiais e exportam para Japão, Europa e Estados Unidos. As principais cidades produtoras são Diamantina, Presidente Kubitschek, Manhuaçu, Ervália, Araponga e Viçosa. Características do café: corpo médio a encorpado, acidez média, doçura alta, com aroma achocolatado e sabor cítrico. 
 

 

** Denominação de Origem Cerrado Mineiro (MG): o fruto começou a ser cultivado na região, na década de 1970, por agricultores paranaenses, que fugiam das geadas, e paulistas, que enfrentavam o problema de nematoide. O Cerrado Mineiro apresenta clima seco durante o período da colheita, o que faz com que ocafésofra menos com a umidade depois de colhido. Abrangendo 55 municípios do Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de Minas, conquistou a Denominação de Origem em 2013 e foi a primeira de café do País a receber este reconhecimento.  
 

 

* Indicação de Procedência Alta Mogiana (SP): tradicional produtora de cafés, a região congrega 15 municípios paulistas – Altinópolis, Batatais, Buritizal, Cajuru, Cristais Paulista, Franca, ltirapuã, Jeriquara, Nuporanga, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Restinga, Ribeirão Corrente, Santo Antônio da Alegria e São José da Bela Vista – e oito mineiros – Claraval, Capetinga, Cassia, Ibiraci, Itamogi, Sacramento, São Sebastião do Paraíso e São Tomas de Aquino – distribuídos em meio aos polos cafeeiros de Franca, Pedregulho (um dos municípios mais altos do Estado) e Altinópolis. Características do café: aroma marcante, frutado com notas de chocolate e nozes, corpo cremoso aveludado, acidez média e muito equilibrada e finalização prolongada, com uma doçura de caramelo e notas de chocolate amargo. 
  

 

Média Mogiana (SP): nessa região, a maior concentração de café fica em São João da Boa Vista. É uma área climaticamente apta para o grão, montanhosa e com alguns municípios acima de 1.000 metros de altitude, produtividade alta e de muito boa qualidade. Tem como limitação a mecanização em áreas de topografia acentuada. A produção de café abrange cinco dos 16 municípios produtores, sendo alguns deles Espírito Santo do Pinhal, Santo Antônio do Jardim e São João da Boa Vista. Características do café: boa acidez, doçura média, corpo médio, notas de chocolate, castanha e nozes. 
 

 

Planalto Baiano (BA): na região do Planalto, que envolve Chapada Diamantina, Planalto de Vitória da Conquista e Serrana de Itiruçu/Brejões, muitas propriedades realizam a colheita seletiva (apenas grãos maduros), o que favorece a produção do café cereja descascado. Além da colheita dos frutos maduros, a criação de cooperativas e associações foi fator importante para a obtenção de qualidade e para o sucesso da agricultura familiar, predominante no Estado. Com altitude média de 850 metros e temperatura amena, as características da região são ideais para o cultivo do café arábica. A colheita é feita durante o inverno chuvoso e exige maior atenção dos produtores na hora da secagem. Entre as regiões da Chapada Diamantina estão cidades premiadas como Piatã, Mucugê, Ibicoara, Vitória da Conquista, Barra do Choça e Poções. Características do café: encorpado e aveludado, adocicado, com acidez cítrica, notas de nozes, chocolate e final prolongado. 
 

 

Montanhas do Espírito Santo (ES): o café produzido nessa região montanhosa, acima de 400 metros, é o arábica. A partir da década de 1980, foi iniciado um trabalho de melhoria da qualidade, com as técnicas tradicionais sendo substituídas por novas máquinas, o que possibilitou maior controle no processamento do grão. As principais cidades produtoras são Afonso Cláudio, Venda Nova do Imigrante, Alfredo Chaves e Castelo. Características do café: encorpado e com acidez de média a alta, doçura e boa complexidade de aromas.

 
 
 
 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.