Conheça 5 Hábitos emocionalmente inteligentes para lidar com frustrações no trabalho

O consultor e desenvolvedor de carreiras, Eduardo Mello, esclarece suas dúvidas
 

 

De acordo com Eduardo Mello, CEO do Grupo Melza, a menos que você não tenha habilidades sociais básicas é difícil imaginar problemas ao expressar sentimentos positivos no trabalho. Compartilhar entusiasmo e encorajamento geralmente é benéfico para todos ao seu redor. Mas são os sentimentos do outro lado do espectro com os quais a maioria de nós lutamos. Todos ficamos frustrados ou sobrecarregados no trabalho.

 

 

Talvez alguém menos qualificado receba uma promoção que você trabalhou duro para ganhar. Ou um colega de trabalho leva o crédito por algo que você fez. Os preguiçosos em sua equipe conseguem uma grande oportunidade de projeto, apesar das incontáveis horas que você passou trabalhando na proposta. Ou pior, a ideia que você envia é rejeitada e criticada, para depois ser vista como genial se apresentada por outra pessoa. Essas situações farão com que até mesmo o mais equilibrado se sinta irritado, frustrado, desapontado, ressentido e com até mesmo com medo. Porém o mais perigoso aqui é que não são as situações em si que nos fazem ou quebram, é como respondemos a elas. E saber lidar com isso requer prática. Aqui estão cinco hábitos emocionalmente inteligentes que podem ajudá-lo a manter a calma.

 

 

1. Espere para reagir

Obviamente, não é assim tão fácil. Nós temos impulsos antes de pensarmos. Mas até um segundo pode fazer uma enorme diferença. Se você puder praticar dando a si mesmo apenas um breve momento para pensar sobre sua reação, você pode ganhar muito mais controle sobre o que acontece a seguir. Todos conhecemos pessoas cuja explosão de raiva lhes custou a boa vontade, as promoções e as oportunidades de carreira, e geralmente os impediu de viver na vida.

 

Quando for confrontado com uma forte emoção de qualquer tipo use essa dica: preciso de um segundo para pensar. Se você tiver que se retirar temporariamente de uma situação, faça isso. O primeiro passo crucial é simplesmente perceber esses sentimentos negativos cedo o suficiente para decidir não reagir ainda.

 

 

2. Nomeie o sentimento

Este é o próximo passo lógico. Ser capaz de nomear como você está se sentindo tira um pouco do poder que nossas emoções mais desagradáveis têm sobre nós. Descrever um sentimento lhe dá uma certa distância, permitindo maior clareza. E é possível atribuir um nome à experiência que você está tendo mais rapidamente do que você pode escolher a resposta certa para isso.

 

3. Compartilhe como você se sente com alguém que pode ser objetivo

A pior coisa a fazer é lamentar-se com os outros que têm as mesmas queixas que você. A miséria adora companhia. Essa atitude pode até parecer boa (e reconfortante) na época, mas não é produtivo e vai mantê-lo preso em um ciclo vicioso. A abordagem mais emocionalmente inteligente é encontrar alguém que seja um ótimo ouvinte e removido o suficiente da situação para oferecer um ponto de vista objetivo imparcial. Isso geralmente é alguém que não tem interesse nas circunstâncias de uma forma ou de outra. Ao explicar o que aconteceu, tente compartilhar apenas os dados, não suas opiniões ou sentimentos.

 

4. Refletir sobre a situação como um observador externo

Tente analisar para a situação como alguém do lado de fora olhando para dentro. Faça uma tentativa honesta de tentar e ver as coisas do ponto de vista de todos os envolvidos. Suspenda o julgamento, se puder, e invente tantas explicações possíveis para o que ocorreu, como você pode pensar – não importa o quão improváveis elas possam parecer.

 

Este exercício é difícil, mas pode ajudá-lo a identificar explicações alternativas para a situação que o deixou tão chateado. A questão difícil é: “Qual foi a minha parte nisso – tanto o positivo quanto o negativo?” Pode haver um aprendizado valioso nisso, mas, no mínimo, esse hábito lhe dá tempo para se refrescar e redirecionar sua frustração para outro lugar.

 

 

5. Imagine que é um ano depois

Pergunte a si mesmo o quanto isso será importante para você daqui a um ano, cinco anos ou dez anos. Considere seus objetivos e planos de longo prazo e pense em como isso tudo se encaixa onde você quer estar no futuro. É realmente uma batalha que vale a pena lutar, ou será melhor para você, a longo prazo, deixá-la ir e seguir em frente? Quais serão os prováveis resultados das escolhas que você fizer a partir de agora, e como eles vão ajudar ou atrapalhar você?

 

 

Sentir-se chateado pode parecer algo que acontece com você – é um surto de emoções negativas que você não pode controlar. Mas ao praticar essas técnicas, você pode começar a perceber que ainda tem uma escolha: você não pode se impedir de se sentir irritado, revoltado, mas muitas vezes pode controlar o que faz a respeito.

 

 

Assessoria de imprensa de Eduardo Mello (Grupo Melza) – Agência Zapp News  – agenciazappnews@gmail.com

Grupo Melza – www.melza.com.br

 

 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.