Cresce o número de usuários de internet gratuita

Cresce o número de usuários de internet gratuita
 
Instalado há pouco mais de 80 dias na comunidade da Rocinha, na Zona Sul do Rio, o Rio Estado Digital, programa que leva internet gratuita aos cariocas, atingiu o aumento de 40% no número médio de usuários nos últimos dois meses, segundo a Secretaria estadual de Ciência e Tecnologia. Só na maior comunidade do estado, aproximadamente 5 mil pessoas acessam a internet gratuitamente, sem sair de casa.
 
De acordo com a secretaria, o projeto, que começou em 2009 na comunidade do morro Santa Marta, conta com mais de 15 mil usuários acessando a internet todos os dias. O orgão destaca ainda que um computador atende em média duas pessoas.
 
Atualmente o sinal está disponível nas comunidades do Santa Marta, Cidade de Deus, Pavão-Pavãozinho, Cantagalo, Providência e Zona Portuária, no condomínio do PAC em Manguinhos e na Rocinha. Na orla das praias da capital o sinal também já pode ser captado, assim como na Avenida Presidente Vargas e em parte da Avenida Brasil, onde, segundo a secretaria, ações de vandalismo prejudicam a implantação do programa.
 
– Fica perceptível que o clima da cultura digital está entrando nas comunidades. Quem acessa a internet pelo sistema público é conectado ao portal do programa, onde os novos internautas encontram serviços governamentais, oficinas e cursos de capacitação, além de apoio ao empreendorismo e a integração comunitária – disse Julio Lagun, subsecretário de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
 
Em parceria com uma universidade privada, a ação na Rocinha é a primeira do programa em uma comunidade não pacificada pelo Governo do Estado. No entanto, segundo o subsecretário de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Júlio Lagun, não houve qualquer problema durante a implantação do programa.
 
– A Rocinha foi um caso excepcional. Nós já tínhamos o projeto de levar a internet para a comunidade antes mesmo do Santa Marta. Nos reunimos com moradores e associações e explicamos nossa ideia. Foi tudo muito tranquilo. Fica perceptível que o clima da cultura digital está entrando nas comunidades -contou Lagun.
 
Apesar de pacificada pela Polícia Militar, a Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, não é totalmente coberta pelo sinal de internet. O fato causa o repúdio de alguns moradores, que reclamam da impossibilidade de acesso. O subsecretário explicou que a área onde o sinal seria instalado na Cidade de Deus foi demarcada pela área de segurança, já que a região não é completamente pacificada. Ainda segundo ele, não há no momento, planos para expandir o sinal no local.
 
Webdesigner, José Carlos é morador da Cidade de Deus e aproveita a oferta de internet sem fio gratuita para usar a grande rede a trabalho e para diversão. Ele contou que antes a instalação do serviço trabalhava em uma pequena empresa. Porém com a disponibilização do sinal gratuito passou a trabalhar em casa por conta-própria.
A chegada da internet para ele foi uma conquista dos moradores.
 
– Todos vemos isso como um bem e por isso o protegemos. Sabemos da importância da internet e por isso aqui na comunidade cuidamos para que o serviço esteja sempre disponível – disse.
José também é monitor do programa e ajuda na instalação e manutenção dos equipamentos. Segundo ele, a satisfação dos moradores é geral.
 
– Quando entro nas casas vejo pais estimulando as crianças a usarem os computadores. Meus amigos usam a internet para conversar, trocar informações. Todo mundo gosta disso – contou.
Mesmo que pareça inusitado, o programa recebe incentivo até dos donos de lan houses. Para Julio Lagun, a iniciativa tem natureza educacional por isso não gera competição.
 
– As lan houses possuem um importante papel, mais diversificado, e que em muitos casos se amplia com a presença do Rio Estado Digital. Não temos registro de que o programa possa competir ou tenha competido com as mesmas, em nenhuma comunidade, levando-as a interromper suas funções.
 
A expectativa do governo é de que o programa possa estar concretizado em larga escala em três anos. Na capital, ainda em 2010, a Vila Militar e a comunidade do Batan receberão o programa.
De acordo com a Secretaria de Ciência e Tecnologia, a Baixada Fluminense, que envolve a distribuição de sinal entre os municípios de São João de Meriti, Duque de Caxias, Belford Roxo, Nova Iguaçu, Mesquita e Nilópolis, está em fase final de avaliação e será o piloto para a disseminação pelo interior do estado.

Fonte: Governo do Rio

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.