Crianças de comunidades pacificadas na Bienal

Crianças de comunidades pacificadas na Bienal
 
Cerca de 270 crianças na faixa de 6 a 13 anos de idade, moradoras de comunidades pacificadas, serão levadas a partir desta terça-feira (6/9), pela primeira vez, à Bienal do Livro, no Riocentro.
A iniciativa é resultado de parceria entre a Federação das Indústrias do estado (Firjan), por meio do programa Sesi Cidadania, e a organização da feira, que ocorre na cidade pela décima quinta vez.
 
As visitas começam nesta terça-feira com crianças das comunidades do Jardim Batan e da Providência; depois, o grupo será do Andaraí, da Cidade de Deus e do Morro Azul. O ciclo de visitas se encerrará no dia 9, com crianças das comunidades dos Macacos, de Santa Marta e do Escondidinho/Prazeres.
 
O programa Sesi Cidadania foi iniciado no ano passado, por meio de convênio firmado entre os governos fluminense e carioca e o Sistema Firjan, com o objetivo de levar a moradores das 18  comunidades  pacificadas ações contínuas de educação básica e profissionalizante, além de atividades de esporte, lazer, saúde e cultura.
 
A analista de Marketing Cultural do Sistema Firjan, Marina Henriques de Almeida Pinto, explicou que a maioria das crianças selecionadas para visitar a Bienal do Livro do Rio participa do projeto Indústria do Conhecimento, que é uma biblioteca, ou espaço de leitura, onde elas aprendem a ter contato com os livros.
 
“O objetivo principal é democratizar a cultura, a leitura”. Os vários estandes da bienal permitirão às crianças desmistificar que ler é difícil, disse Marina. “Eles vão se aproximar da leitura”. A ideia, acrescentou, é repetir a ação nas próximas edições da Bienal do Livro do Rio.
 
Na área de cultura, a Firjan procura tirar as pessoas da realidade em que vivem e trazê-las para os teatros do Sesi, onde têm contato com peças, exposições e filmes. Foram formados também grupos  de teatro da terceira idade, que se apresentarão pela primeira vez, em novembro próximo, na Firjan. Segundo Marina Henriques, a federação já prestou mais de 83 mil atendimentos nas 18 comunidades pacificadas, dos quais 9 mil na área cultural.

Fonte: Agência Brasil

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.