Crítica do filme: Gringo: vivo ou morto

Ele certamente te fará rir
 

Por Graça Paes, RJ (Agência Zapp News)

 

 

Com direção de Nash Edgerton, que soma muitos curta metragens no currículo, o longa tem roteiro de Anthony Tambakis e Matthew Stone, música de Christophe Beck e produção de Charlize Theron, Nash Edgerton, Anthony Tambakis, Rebecca Yeldham, Beth Kono, A.J. Dix. Estreia no Brasil dia 3 de maio.

 

 

O filme conta a história de um executivo de uma grande empresa, Harold Soyinka, que em uma viagem ao México, passa de um cidadão respeitado a um fora da lei procurado, e a partir daí muitas aventuras acontecem.

 

 

Bom, você não verá nada de novo e muito menos de surpreendente neste longa. Em alguns momentos irá achar até já ter visto o filme, pois tem muitos clichês e cenas que se assemelham a longas no estilo pastelão, o gênero que ele mais se encaixa. Abusa muito da desavença entre norte americanos e mexicanos. Onde o norte americano é o bonzinho e o mexicano sempre o bandido.

 

 

Não espere muito de Charlize Theron e Nash Edgerton em cena. Interpretam personagens sem grande relevância e estão bem diferentes de tudo que você já viu.  Charlize é a loira gostosona da história. A fotografia é boa e ponto. E, as cenas de ação são boas, mas todas cômicas demais. A Agência Zapp News já assistiu e deu nota 7.5. 

 

 

Quem rouba a cena é o ator David Oyelowo, o protagonista, que vive o Harold Soyinka. Amanda Seyfried faz uma pequena participação sem grande importância na trama. A produção usou e abusou de grandes nomes, mas todos os tops de Hollywood não tiveram atuação relevante no filme. 

 

 

 

 

 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.