Crítica do filme: “Sol da Meia Noite”

O longa marca a estreia de Patrick Schwarzenegger nos cinemas
 

Por Graça Paes, RJ (Agência Zapp News)

 

 

O longa “Sol da Meia Noite” com direção de Scott Speer chega aos cinemas com uma excelente fotografia, uma brilhante trilha sonora, com canção original de Spirits e música de Nate Walcott e um belo roteiro de Eric Kirsten. É um drama cercado pelo romance de dois jovens, Katie e Charlie, Bella Thorne e Patrick Schwarzenegger.

 

 

O filme conta a história de Katie, uma jovem de 17 anos, que vive protegida dentro de sua casa desde a infância, por ser portadora de uma doença rara, chamada de XP, Xeroderma pigmentoso uma desordem genética de reparação do DNA/ADN, na qual a capacidade normal do organismo para remover o dano causado pela radiação ultravioleta (UV) é deficiente. Isto pode levar a múltiplos Carcinomas basocelulares, carcinomas espino celulares e mesmo melanomas. três tipos de cânceres, em idade precoce. Em casos severos, é necessário evitar por completo a exposição à luz solar e a outras fontes de radiação ultravioleta. Por este motivo, ela vive em seu quarto e cercada de cuidados. Já que não pode pegar sol de forma alguma, pois a luz solar lhe causa danos irreversíveis. Mas, essa situação tem uma reviravolta quando ela decide sair à noite e seu destino se cruza com o de Charlie, um jovem estudante e atleta, e a partir daí eles engatam um romance que terá desfechos surpreendentes.

 

 

O filme nos leva a refletir sobre esta doença rara, XP, sobre o amor, a amizade, a diversidade, superação, e o relacionamento entre pai e filha.

 

 

 

O ponto alto deste longa são os protagonistas Bella Thorne e Patrick Schwarzenegger o casal tem boa química e transmite naturalidade em cena. Bella é uma atriz que promete e muito crescer na indústria cinematográfica e Patrick Schwarzenegger mostra na telona que herdou um poderoso DNA para a sétima arte em sua estreia. Mas, também merecem destaques, Rob Riggle, que interpreta o pai de katie e que mesmo com um histórico de muitos filmes de comédia, ele nos surpreende neste papel bem dramático, mas com veia cômica também. E, de Quinn Shephard, que interpreta a melhor amiga de Katie. Uma jovem dinâmica e bem divertida que dá leveza ao drama.

 

Prepare o lencinho, mas fique tranquilo (a), pois você não irá se deparar com cenas chocantes, o diretor é bem cuidadoso com as cenas. É que o filme, realmente, te fará chorar com o drama de Katie, mas também te levará as nuvens com a trilha sonora, principalmente com as músicas em voz e violão. O violão e a música são duas paixões da protagonista. 

 

 


A Agência Zapp News e nossa nota é 9.5.
A longa estreia nos cinemas dia 14 de junho.

 

 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.