Editais do funk chega à Cidade de Deus

Editais do funk chega à Cidade de Deus
 
A Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, recebeu na quinta-feira (1/9) a primeira visita da Caravana de Oficinas dos Editais do Funk. No local, os artistas puderam tirar suas dúvidas e aprender a desenvolver um projeto para concorrer aos editais lançados pela Secretaria de Estado de Cultura. Uma Roda de Funk, transmitida ao vivo pela Rádio Nacional, animou os que participaram do evento.
 
Os editais de fomento ao funk vão contemplar 25 projetos, a partir de uma renda de R$ 500 mil. Segundo o superintendente de Cultura e Sociedade, Marcus Faustini, o lançamento dos editais foi o verdadeiro reconhecimento do funk como cultura pelo Estado.
 
– O edital é para reconhecer que os DJs e MCs são artistas e que o funk é o grande diferencial da cultura carioca. Anteriormente, o funk não era reconhecido pelo poder público como uma criação artística. Esses editais são para incentivar a o trabalho desses agentes que já produzem cultura há tempos – afirmou Marcus Faustini.
 
A Caravana vai a 27 comunidades do estado para divulgar os editais de fomento à cultura. O presidente da Associação de Profissionais e Amigos do Funk (Apafunk), Leonardo Pereira Mota, o MC Leozinho, ressalta que o lançamento dos editais é uma grande vitória do movimento.
 
– Nós conseguimos fazer, há dois anos, com que o funk fosse reconhecido como cultura. O nosso outro desafio é fazer com que os profissionais dessa área, que são na maioria das vezes favelados, entendam os editais e se inscrevam. O valor não importa, o que importa é que o funk foi incluído na política pública – explicou MC Leozinho.
 
O presidente da Apafunk destacou ainda que já procurou o Sebrae-RJ para que os responsáveis pelos projetos futuramente selecionados sejam orientados e saibam utilizar a verba da melhor maneira. Uma das concorrentes, com o projeto “Funklização”, Jennifer Teixeira da Silva, a MC Jennifer, planeja abrir uma espécie de agência para auxiliar os profissionais da área.
 
– A ideia do meu projeto é dar toda a estrutura para o funkeiro. Nós vamos auxiliá-lo a começar a sua carreira, ajudando a fazer um clipe, ter um site de divulgação e fazer com que ele viva da música. Eu tive que fazer tudo isso sozinha e é muito difícil. Mas tenho orgulho de dizer que, hoje, vivo do funk.
 
A Caravana do Funk vai visitar nas próximas semanas comunidades em Petrópolis e Teresópolis e, depois, o Morro do Borel, na Tijuca.

Fonte: Governo do Rio

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.