Estação de tratamento vira atração turística

Estação de tratamento vira atração turística
 
Estação de tratamento vira atração turística
 
 
Incluída no Guinness Book como a maior estação de tratamento de água do mundo, a ETA Guandu, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, espera bater um novo recorde. O complexo de 270 mil metros quadrados, que produz 43 mil litros de água por segundo, pretende fechar 2011 com a marca de 14 mil a 15 mil visitantes. 
 
O público, formado em sua maioria por estudantes, inclui também adultos das mais variadas procedências, inclusive do exterior, como grupos de turistas da China, França, Inglaterra e Israel. A estação atrai a curiosidade pelo gigantismo – abastece oito milhões de pessoas no Grande Rio – e pela complexidade tecnológica do processo de purificação da água, captada do Rio Guandu. No ano passado, 13 mil pessoas passaram pela ETA.
 
– A procura é grande porque as pessoas querem ver como funciona a maior estação de tratamento de água do mundo – explicou o engenheiro sanitarista Edes Fernandes de Oliveira, gerente do complexo
 
Conscientização das novas gerações
 
A ida à unidade é também uma oportunidade de ensinar às novas gerações a importância do uso racional da água. Relatório de Desenvolvimento Humano da ONU mostra que uma em cada cinco pessoas residentes em países em desenvolvimento — cerca de 1,1 bilhão de habitantes — não têm acesso a água potável.
 
– Temos um projeto de educação ambiental diferenciado para as crianças. Elas conhecem as instalações, vão a um mirante de onde se avista toda a ETA, recebem uma revistinha com jogos e brincadeiras que ensinam sobre o processo de captação, purificação e distribuição de água, e assistem a um desenho animado – disse. 
 
A Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) disponibiliza ônibus para levar de três a quatro turmas de estudantes de escolas públicas à ETA diariamente. As crianças passam de duas a três horas na estação. O passeio, com direito a lanche, também inclui uma visita ao viveiro de mudas de espécies de Mata Atlântica que abastece o programa de reflorestamento das matas ciliares do Guandu.
 

Fonte: Assessoria

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.