Força de Pacificação na Penha e Alemão é renovada

Base Operacional da Força de Pacificação
 

O governador Sérgio Cabral participou nesta sexta-feira (18/02) da cerimônia de passagem de comando, que também marcou o início da substituição dos 1,7 mil soldados do Exército. O comando da força-tarefa foi assumido pelo general Cesar Leme Justo

Com o objetivo de fortalecer ainda mais o trabalho da Força de Pacificação dos complexos da Penha e do Alemão, na Zona Norte do Rio, militares da 9ª Brigada de Infantaria Motorizada substituirão, até o próximo domingo (20/2), os cerca de 1,7 mil soldados da Brigada de Paraquedista. O governador Sérgio Cabral participou nesta sexta-feira (18/2) da solenidade que marcou o início da renovação da “tropa da paz”, que conta também com mais de 200 policiais civis e militares, e da passagem de comando da força-tarefa. O general Fernando Sardenberg passou o cargo para o general Cesar Leme Justo.

Após a cerimônia de posse, que aconteceu na Base Operacional da Força de Pacificação, em Bonsucesso, o governador enfatizou a importância da união entre as forças de segurança do Estado e a tropa de pacificação para dar continuidade ao processo histórico de reconquista dos territórios antes dominados por criminosos. Cabral destacou ainda a bravura dos soldados do Exército, que ajudarão na instalação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na região, prevista para o segundo semestre deste ano.

– É uma manhã histórica. As minhas palavras são de gratidão pela tarefa que foi colocada ao Exército, uma instituição integrada à vida nacional. A pacificação é prova de uma parceria entre os governos que deu certo. As comunidades do Alemão e da Penha viviam em degradação há décadas, assim como o Rio de Janeiro. Os moradores do Alemão vivem em paz hoje. Ordem pública e direitos humanos convivem lado a lado. Agora, vamos realizar investimentos sociais e em cidadania, mudando a paisagem humana dessas comunidades – afirmou Cabral, que sugeriu aos soldados do Exército que visitem as comunidades já pacificadas pelo Estado para que possam sentir a importância do legado que deixarão para a população.

De acordo com o comandante Militar do Leste, general Adriano Pereira Júnior, o rodízio de militares é necessário porque as atividades desempenhadas pela força de paz são intensas. No entanto, o comandante garantiu que o novo grupo de soldados possui as mesmas habilidades e qualidade técnica dos militares que deixam as comunidades. Depois que a tropa da Brigada Motorizada foi convocada para dar continuidade à missão de pacificação, o Exército intensificou seu treinamento.

– Até hoje, ao longo desse período, tenho recebido agradecimentos da comunidade. O sucesso da operação não seria possível sem a ação conjunta entre os governos federal, estadual e municipal, do judiciário e da sociedade. Era um desafio, mas a Brigada de Paraquedista cumpriu sua missão e conseguiu transmitir a paz às duas comunidades. Junto com o Governo do Estado, trabalhamos para termos cada vez mais progresso – disse o comandante Militar do Leste.

Força de Pacificação começou a atuar em dezembro

O reforço no processo de pacificação das duas comunidades está sendo assegurado pela tropa desde o último dia 23 de dezembro, quando o Governo do Estado do Rio de Janeiro, o Ministério da Defesa e o Exército formalizaram o acordo de organização e emprego da força-tarefa. A tropa garante a segurança dos mais de 500 mil moradores do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro, na Penha, e dos bairros vizinhos às comunidades pacificadas através do patrulhamento.

 

Fonte: Gov Estado Rio

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.