Iniciada primeira etapa da demolição do Elevado da Perimetral

Trânsito foi interrompido durante a madrugada para remoção da primeira viga do viaduto
 

 

 

 

O prefeito Eduardo Paes comandou, na madrugada de terça-feira (05/02), a remoção da primeira viga de aço da rampa da Perimetral, em frente à Rua Antônio Lage, próximo ao Moinho Fluminense. A operação foi realizada durante a noite para gerar menor impacto no trânsito, e é o início do processo de demolição do viaduto. O Elevado da Perimetral ficou interditado nos dois sentidos das 23h às 5h, para a operação de transporte da viga, que tem 40 metros, 22 toneladas e é a primeira das 1.008 peças que serão retiradas. A Avenida Rodrigues Alves foi interditada da altura da Avenida Professor Pereira Reis até a Avenida Barão de Tefé, sentido Centro.

 

 

– Hoje é um dia histórico para a cidade. A Perimetral degradou muito a Região Portuária e colaborou com a degradação de todo o Centro da Cidade. Por isso, sua demolição é simbólica nesse processo de revitalização do Centro do Rio de Janeiro. Uma cidade que não tem um Centro funcionando é uma cidade sem alma, e a retirada dessa viga representa um pouco a retomada dessa alma – disse o prefeito Eduardo Paes.

 

 

A primeira etapa da operação contou com o içamento da viga por um guindaste de 400 toneladas, 50 metros de altura e 20 metros de comprimento. Após esta etapa, o material foi transportado por uma carreta do tipo Dolly até um terreno da Prefeitura do Rio, conhecido como Acesso Novo ao Porto, na Prefeito Júlio de Moraes Coutinho, em Manguinhos, distante 6,5 quilômetros do local da retirada da viga. As peças permanecerão à disposição para reaproveitamento em obras da cidade. O procedimento de retirada e transporte das vigas, que teve início nesta madrugada, será suspenso durante o carnaval e retornará no dia 18 de fevereiro. Ao todo, a rampa tem 12 vigas.

 

 

OPERAÇÃO
A operação total envolve cerca de 80 funcionários da Concessionária Porto Novo, entre engenheiros, técnicos de segurança, área de suprimentos e mecânica. A retirada do concreto para o isolamento das vigas começou no fim de novembro de 2012. O primeiro serviço executado foi a desenergização da rede elétrica de iluminação. Em seguida, um equipamento especial com tecnologia de fios de diamante iniciou o corte do concreto com apoio de máquinas tipo picaretas.

 

 

REAPROVEITAMENTO DO MATERIAL
Todo material retirado da Perimetral está em condições de reaproveitamento. Nesta rampa, foram retirados 3.213,14 m³ de concreto, o que significa aproximadamente 400 betoneiras do material. Este concreto passará por uma máquina. E após ser britado, poderá ser reutilizado na pavimentação das vias da região. Também foram retirados 123 caminhões de solo e argila desta rampa que poderão ser igualmente reaproveitados. Entre estruturas metálicas e aço, a concessionária Porto Novo removeu 580 mil Kg de material passível de reutilização.

 

 

ETAPAS DA DEMOLIÇÃO
A remoção do Elevado da Perimetral teve prazo alterado para julho de 2013 para não coincidir com o calendário de eventos da cidade, como a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude. A Prefeitura do Rio de Janeiro decidiu adotar diferentes métodos de remoção, de acordo com as características de engenharia de cada trecho apontadas por estudos. Assim, serão utilizados três métodos para a retirada do elevado: Implosão (com uso de explosivos em detonações controladas), Desmonte (quando a estrutura é removida em partes) e Demolição (com utilização de máquinas e equipamentos).

 

 

Da Rodoviária Novo Rio à Rua Silvino Montenegro, o método será por implosão. A opção garante a liberação do trecho ao tráfego com maior velocidade. Enquanto isso, os dos trechos entre a Rua Silvino Montenegro e a sede da Polícia Federal e entre o Píer Mauá, a decisão dos engenheiros foi pelo desmonte. Na área compreendida entre o prédio da sede da Polícia Federal e o Píer Mauá, o processo adequado é o de demolição. As medidas garantem aceleração na retirada da Perimetral e na reabertura para o tráfego.

 

 

NOVA MOBILIDADE URBANA
A retirada da Perimetral permitirá uma mudança importante na dinâmica do deslocamento e do uso de transportes públicos e individuais na região. O trecho do Armazém 8 do Cais do Porto, na Avenida Rodrigues Alves, até o Píer Mauá será transformado em um grande passeio público arborizado com ciclovias e passagem para pedestres e Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A área arborizada terá 1.100 metros de extensão e 40 metros de largura e 44 mil metros quadrados – um terço do espaço correspondente ao Parque Madureira.

 

 

Para que isso seja possível, será construído o Túnel da Via Expressa, que permitirá que os veículos que venham do Aeroporto Santos Dumont ou Aterro do Flamengo, por exemplo, cheguem ao Armazém 8 e acessem a Rodrigues Alves (transformada em Via Expressa) às avenidas Brasil e Rio de Janeiro ou Ponte-Rio Niterói trafegando sem interrupções. A distribuição do tráfego interno da Região Portuária e sua ligação entre os extremos da Região Portuária (Viaduto do Gasômetro/Rodoviária Novo Rio e Praça Mauá/Rua Primeiro de Março).

 

Prefeitura do Rio

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.