Ministro destaca melhor desempenho do Brasil na história das Olimpíadas

O Brasil teve 465 atletas no Rio contra 259 em Londres (2012) e 277 em Pequim (2008)
 

2016.08.21-COLETIVA-Ministro-do-Esporte-Leonardo-Picciani_Fabio-Gonçalves03

 

No domingo, dia 21 de agosto, em entrevista coletiva no auditório do Rio Media Center (RMC), o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, fez um balanço da participação dos atletas brasileiros nos Jogos Rio 2016 e destacou a melhor atuação do Brasil na história das Olimpíadas, com o maior número de medalhas e a melhor colocação no quadro geral dos países. “Agora, neste último dia de competições, podemos dizer que o Brasil teve no Rio seu melhor desempenho numa Olimpíada, que começou pelo número recorde de nossa delegação”, disse Picciani. 

 

 

Sem contar a medalha do vôlei masculino, são 18 medalhas no total. A delegação brasileira nunca subiu tantas vezes no alto do pódio como nos Jogos Rio 2016, com seis primeiros lugares. “O Ministério do Esporte cumpriu sua missão de apoiar o esporte de alto rendimento, mostrando o quanto o Governo Federal acredita no poder transformador do esporte”. O ministro citou ainda programas como o Bolsa Pódio e agradeceu o apoio e a participação da população carioca e brasileira durante a Olimpíada. “Como carioca, não posso deixar de manifestar o orgulho pela maneira como os moradores do Rio souberam participar dos Jogos e receber os turistas estrangeiros e de todo o Brasil da forma mais amigável possível”, afirmou Picciani. “A população também ganhou medalha de ouro nessa Olimpíada”.

 

 

Para o próximo ciclo olímpico, o Ministério do Esporte vai fazer uma avaliação detalhada de cada atleta e modalidade com o objetivo de corrigir falhas, aprimorar os recursos técnicos e ampliar o suporte financeiro na preparação dos atletas para a Olimpíada de Tóquio, em 2020, e para outras competições esportivas nacionais e internacionais.

 

 

 

O ministro adiantou que os programas Bolsa Atleta e Bolsa Pódio, que beneficiam 358 dos 465 atletas que disputaram os jogos no Rio, serão ampliados  e os centro de treinamento passarão a ser integrados. Picciani não especificou o montante de recursos que serão utilizados nos programas, mas espera superar os atuais 18 milhões de reais por mês. “A experiência de termos organizado os Jogos Olímpicos no Brasil nos demonstrou a necessidade de planejamento para que nossos atletas tenham condições de disputar qualquer modalidade em qualquer continente”, destacou o ministro.

 

 

 

Perguntado por um jornalista japonês se teria um conselho a  dar à Prefeitura de Tóquio, onde será realizada a próxima Olimpíada, em 2020, Leonardo Picciani desejou boa sorte e disse estar confiante no sucesso dos próximos Jogos. “Tenho certeza de que o Japão executará muito bem a tarefa de sediar os Jogos de 2020”, finalizou.

 

 

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.