Moradias para pessoas que vivem em áreas de risco

Moradias para pessoas que vivem em áreas de risco
 

1.500 casas populares na Zona Norte

Um terreno na Rua São Luiz Gonzaga, ao lado do Centro de Abastecimento do Estado da Guanabara (Cadeg), em São Cristovão, vai receber 1.500 moradias populares para abrigar pessoas que viviam em áreas de risco nos morros da região central do Rio de Janeiro. O espaço, de cerca de 100 mil metros quadrados, foi regularizado pela Secretaria de Habitação e vai receber as casas que seriam construídas na área do antigo Complexo Penitenciário da Frei Caneca.
 
Até o fim da semana, será lançado um edital para que empresas interessadas apresentem seus projetos para a construção das casas populares pelo programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal. O melhor trabalho será selecionado pela Caixa Econômica e as obras estão previstas para começarem ainda neste ano. O investimento será de R$ 80 milhões, sem contar as obras de infraestrutura e urbanismo. De acordo com o secretário de Habitação, Leornardo Picciani, o local escolhido para o empreendimento oferece uma maior qualidade de vida para os moradores. "Essa é mais uma demonstração de que o governo do Estado segue empenhado em viabilizar a execução do Minha Casa, Minha Vida no Rio de Janeiro. A área de São Cristóvão é próxima ao centro, coração financeiro da cidade, o que facilita o acesso a milhares de trabalhadores da região. E este empreendimento só vem a somar com os demais a serem erguidos através do programa Minha Casa, Minha Vida em outras áreas também pertencentes ao governo estadual", explicou Picciani.
 
 
O terreno do antigo presídio, devido à crescente valorização da região, será leiloado. Os recursos obtidos com a venda irão para o Fundo Estadual de Habitação para serem investidos na construção de moradias no interior do estado, onde, segundo o secretário, o programa do Governo Federal não chega. As condições do leilão estão sendo elaboradas pela Casa Civil.

Fonte: Governo do Estado do Rio

0 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.