PLANTÃO BARRA: Rock in Rio e Prefeitura do Rio lançam campanha de conscientização contra lixo nas ruas

A multa para quem for flagrado jogando lixo na rua pode chegar a R$ 3 mil
 

 

O Rock in Rio e a Prefeitura do Rio apresentaram na manhã de segunda-feira, dia 10 de junho, no Museu de Arte do Rio (MAR), no Centro da cidade, duas campanhas simultâneas para tentar conscientizar o carioca e os turistas a jogarem o lixo no lixo; o Programa ‘Lixo Zero’ e a campanha de conscientização “Lixo no lixo, Rio no coração”, a segunda uma iniciativa da organização do Rock in Rio.

 

A campanha “Lixo no lixo, Rio no coração” já começou na segunda, dia 10, e tem como objetivo chamar atenção para o problema e provocar um movimento coletivo que deixe como legado a mudança de comportamento da população. A organização do festival investiu R$ 20 milhões na campanha de mobilização e conscientização, em parceria com a Prefeitura do Rio e a Comlurb, que será veiculada ao longo de três meses e meio. A campanha ressalta que não adianta o Rio ser a cidade mais linda do mundo sendo que também é a nona mais suja. E, que  quando uma pessoa joga lixo na rua, ela também descarta muitas outras possibilidades.

 

 

“Todos nós cariocas e turistas precisamos cuidar melhor da nossa cidade. O nosso objetivo e conscientizar as pessoas para que criem o hábito de evitar o acúmulo de lixo urbano por menor que seja. Começaremos a campanha de maneira lúdica, mas aos poucos ficará mais agressiva para enfatizar o problema”, disse Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio.

 

 

Para Eduardo Paes, prefeito do Rio, a iniciativa do Rock in Rio só vem mostrar o quanto é importante uma empresa que leva tão bem o nome do Rio trazer esse tipo de mensagem para os cidadãos. “O Rio já está em destaque e ficará ainda mais nos próximos anos com os eventos que serão realizados por aqui. São iniciativas como essa que nos dá orgulho de vincular o nome do Rio ao de empresas que pensam também nos cariocas. Além do legado das obras, ficará também um novo comportamento na cidade. É esse tipo de imagem que queremos passar para o mundo”, destacou o prefeito.

 

Já a partir de 1º de julho, o programa “Lixo Zero”, da prefeitura do Rio, irá fiscalizar o cidadão que jogar lixo no chão e também a multá-lo. As multas vão de R$157 a R$ 3 mil reais. Segundo Vinícius Roriz, presidente da Comlurb, o projeto não busca apenas arrecadar, mas conscientizar o cidadão a procurar uma lixeira.

 

A medida será aplicada com base na Lei de Limpeza Urbana, criada há mais de dez anos, e tem a intenção de acabar de vez com o mau hábito de jogar lixo nas ruas.  “É importante a participação e mobilização de todos nessa causa. É errado jogar a culpa só na prefeitura. O lixo que é jogado na cidade é de responsabilidade de todos. Se está ali é porque alguém jogou. Gastamos R$ 1,3 bilhão por ano com a Comlurb na limpeza urbana. Uma economia desse valor poderia ser mais bem utilizada destinado à construção de creches e escolas”, afirmou Eduardo Paes, prefeito do Rio.

 

 

De acordo com Vinícius Roriz, presidente da Comlurb, a empresa já tem planos para quem em 2014 esse efetivo seja maior e com uma fiscalização mais rigorosa. Apesar do custo alto para a cidade, ele enfatiza o fato da importância de se criar o hábito nas pessoas. “Assim como a Lei Seca já está naturalmente incorporada na rotina dos cariocas, queremos fazer o mesmo com esse projeto de reeducar o cidadão. Temos 30 mil lixeiras na cidade e compramos mais 7 mil, e nessa fase inicial pode até parecer difícil, mas a longo prazo teremos um bom resultado”, afirmou Vinícius Roriz, presidente da Comlurb.

 

A campanha contará com um efetivo de 638 profissionais, sendo 223 agentes da Comlurb, 223 guardas municipais e 192 policiais militares. As multas vão de R$157 a R$ 3 mil.  Um fiscal da Comlurb vai identificar a irregularidade, a Guarda Municipal entra para multar, e a PM poderá auxiliar caso uma pessoa não queira se identificar.

 

 

Serão mobilizados 178 fiscais, divididos em 52 grupos nos bairros de Ipanema, Leblon e Lagoa, 126 em Copacabana, num total de 38 grupos. Já em Botafogo, Catete e Glória 74 agentes formarão 22 grupos. As praias da Zona Sul receberão atenção especial, com 33 profissionais em 11 grupos destacados para fiscalizar banhistas e demais frequentadores.

 

O descarte irregular de lixos menores, até o tamanho de uma lata de refrigerante, custará R$157. Se chegar a até 1 m³, R$ 392,00, e se for um volume superior a um metro cúbico a multa será de R$ 980. Grande quantidade de entulho descartado e formando depósitos irregulares, a multa chega à R$ 3.000.

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.