Casa de festas “Luz, Câmera e Ação” na Taquara fecha sem avisar os clientes com festas agendadas

Moradores de Jacarepaguá tomaram um susto essa semana. Na noite de terça-feira, dia 17, muitos clientes com festas agendadas na casa de festas Luz, Câmera e Zoação, na Taquara, descobriram que o estabelecimento não funcionava mais.  O que se deu a seguir foi uma correria contra o tempo para organizar novas festas, em outro local[...]
 

Moradores de Jacarepaguá tomaram um susto essa semana. Na noite de terça-feira, dia 17, muitos clientes com festas agendadas na casa de festas Luz, Câmera e Zoação, na Taquara, descobriram que o estabelecimento não funcionava mais.  O que se deu a seguir foi uma correria contra o tempo para organizar novas festas, em outro local e avisar a mudança de endereço aos convidados.

 

 

Uma das contratantes contou a equipe de jornalismo do jorna Extra que só descobriu que sua festa não seria mais realizada ao ligar para o local para acertar os últimos detalhes da decoração.  – Acredito que os responsáveis pela casa agiram de má-fé, pois pegaram meu dinheiro e não deram satisfação. Podiam ter devolvido o valor pago ou oferecido uma alternativa para a realização da festa, mesmo que não fosse no mesmo padrão. Se eu não ligasse para a funcionária, não saberia que não teria a comemoração. Corria o risco de bater com a cara na porta, assim como os meus convidados. Demorei para crer que fosse verdade. A gerente me avisou que a casa havia sido fechada e os funcionários dispensados – relatou a dona de casa, que só espera passar a data da festa para fazer o registro de ocorrência na delegacia, o que deve ocorrer ainda hoje. Ela pretende também cobrar na justiça os danos morais.

 

 

O EXTRA esteve no local  e encontrou o estabelecimento fechado. Uma ex-funcionária que mora perto e passava pelo local contou que na madrugada de quarta-feira, após a última festa, uma das sócias informou aos empregados que não precisariam retornar mais porque a casa não reabriria.   – Foi um ano e nove meses de trabalho jogados fora e ainda sem o salário de dezembro e o décimo terceiro – lamentou a auxiliar de serviços gerais Sônia dos Santos de Almeida, de 48 anos.

 

 

O jornal também tentou fazer contato com os responsáveis pela casa de festas, mas nos telefones fixos ninguém atendia. O mesmo ocorreu com os dois números de celular divulgados para os clientes. Num deles, atende um homem que disse não ter ligação com o estabelecimento e que o número é dele há bastante tempo. Cinco registros de ocorrência contra a casa de festas já foram feitos na 32ª DP (Taquara).

 

Os casos foram encaminhados para a 41ª DP(Tanque). Os responsáveis podem responder por estelionato.

 

 

Fonte: Jornal Extra 

 

0 comentários