Moradores da Vila Autódromo, na Barra da Tijuca, começam a se mudar em março

Prefeitura ainda negocia com as pessoas que ainda resistem
 

vila-autodromoA mudança dos moradores da Vila do Autódromo, na Barra da Tijuca, que terão as suas casas demolidas por conta do projeto olímpico, começará a se feita em março para o condomínio Parque Carioca, subsidiado pelo programa Minha Casa Minha Vida, localizado na Estrada dos Bandeirantes em Jacarepaguá. Ao todo, nessa primeira fase, 285 famílias serão reassentadas pela prefeitura. O número de famílias que serão beneficiadas é de 583.

 

O Parque Carioca terá 900 apartamentos que já estão em fase final da construção. De acordo com o prefeito Eduardo Paes, todos os moradores terão total apoio da prefeitura para essa mudança. Ele disse ainda que não há pressa para que ela aconteça.

 

Mesmo com esses incentivos, cerca de 60 famílias ainda se recusam a se mudarem e desejam permanecer na comunidade. A prefeitura ainda não decidiu quais medidas serão tomadas nesse caso.

2 comentários

  1. ROGERIO PEREIRA DE SIQUEIRA

    E UMA VERGONHA NA REALIDADE E QUE ELE PAES QUER TEMPO PARA TIRAR TODO MUNDO DE SUAS CASA E PAGAR NO FINAL MIXARIA DE DINHEIRO PARA ESSAS PESSOAS JA QUE SÃO AS MESMAS EMPELHEITEIRAS QUE JA CONHECEMOS ONDE ALGUEM MENOS OS MORADORES VÃO GANHAR MILHOES NAS NOSSAS COSTA MORADOR PAREM DE VOTAR NAS PROZXIMAS ELEIÇEOS ESSES POLITICOS SO DÃO PREJUIZOS PARA NOS PORQUE NÃO PEGAM PESSOAS NA RUA ONDE NÃO TEM EM QUE MORAR E NÃO DÃO O PARQUE CARIOCA PARA ELAS ELEIÇÕES VOTEM NULO PRINCIPALMENTE SE FOR SIGLA DO PMDB

  2. vila autódromo

    Muitas famílias cederam principalmente pela forte pressão da prefeitura na comunidade inclusive com ameaças de no final não ganhar nada, outras muito cansada pelas longas décadas de ameaças ao longo que foi sendo valorizada as terras. O descaso de quase 50 anos de existência da comunidade do poder público dentro da comunidade sem os serviços essenciais tem deixado os moradores muito esgotados, fazendo com que muitos optassem para os apartamentos como se lá poderá ser esse paraiso que eles afirmam; como na verdade sabemos o final desse epsódio. No momento a prefeitura omite o plano de urbanização para as quase 300 famílias que optaram ficar na comunidade, apesar de cobranças intensas da defensoria; suspeitamos com isso que a prefeitura tentará de forma abtraria (como sempre), a tentativa de tirar toda comunidade já que isso é promessa feita em acordo com as empreiteiras de entregar toda a terra após as olimpíadas 2016 para as idealisadoras das obras para realizar aqui seus luxuosos condomínio, é tudo muito lamentável. Continua a política de quando o progresso chega perto de comunidades (especulação imobiliária mesmo), chutam as mesmas para longe ao invés de realizar uma política social de integração social visando o bem estar de todos.