Santa Teresa terá sistema de videopatrulhamento ligado ao COR

Cerca de 40 câmeras serão instaladas nos principais pontos do bairro e as imagens serão acompanhadas em tempo real
 
 

 

 

O bairro de Santa Teresa ganhará um sistema de câmeras ligado ao Núcleo de Videopatrulhamento da Guarda Municipal (GM-Rio), que funciona no Centro de Operações Rio (COR). O projeto foi apresentado, na quarta-feira (09/08), durante evento Museu do Amanhã. Cerca de 40 câmeras serão instaladas nos principais pontos do bairro e as imagens serão acompanhadas em tempo real pelo núcleo, que acionará equipes de guardas municipais e da Polícia Militar quando identificarem a ocorrência de delitos.

 

 

A Prefeitura do Rio não terá qualquer custo porque a instalação do sistema será bancada por empresários dos setores de gastronomia e hotelaria do bairro, a partir de parceria intermediada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação (SMDEI).

 

 

O evento reuniu representantes de embaixadas, consulados e associações do setor turístico, para apresentar as ações de cooperação com a segurança pública implementadas pela Prefeitura, com foco nos projetos relacionados ao COR.

 

– A cidade conta, hoje, com uma união dos três níveis de governo para enfrentar a violência – destacou o secretário municipal de Ordem Pública (Seop), Paulo Amêndola.

 

 

O chefe-executivo do COR, Marcos Landeira, apresentou o Núcleo de Videopatrulhamento da GM. As equipes compostas por 12 guardas municipais, por turnos de 24 horas, acompanham em tempo real as imagens geradas por câmeras da Prefeitura, e identificam a prática de delitos. Equipes da GM-Rio ou das forças policiais são acionadas com o objetivo de deter os infratores e, simultaneamente, equipes são deslocadas para atender a vítima. Em seguida, as imagens são enviadas à delegacia onde servem como prova do crime.

 

 

O projeto-piloto de videopatrulhamento está em operação na orla do Leme, Copacabana e em um trecho de Ipanema. Sua expansão para o restante da orla está em estudo.

 

– Mesmo em fase de projeto-piloto, o videopatrulhamento já está contribuindo para coibir pequenos delitos, resultando em prisões de infratores – afirmou Landeira.

 

 

O diretor de planejamento e relações institucionais da Riotur, Lucio Macedo, detalhou o plano estratégico de turismo da Prefeitura, que tem como meta aumentar em 20% o número de turistas no Rio, em 2017, o que corresponde a um impacto econômico positivo de R$ 6,1 bilhões na economia carioca e a 99 mil novos postos de trabalho. Entre as estratégias para alcançar a meta, estão o investimento em publicidade e marketing, com parcerias com o Ministério do Turismo e a Embratur, e a criação de um calendário de eventos cidade, potencializando os já existentes e criando novos, como congressos, convenções e produções de entretenimento.

 

 

Além do uso de câmeras para vigilância de pontos críticos do Rio, a Seop tem implementado outras ações de apoio às forças de segurança pública. Uma delas é a adoção de um sistema de identificação automática de veículos, que tem o objetivo de reduzir o roubo de cargas e de carros. Em fase de testes, já possui 40 câmeras integradas. Outro projeto é a criação de um grupo de motociclistas da GM para apoiar a Polícia Militar no patrulhamento ostensivo, inicialmente em 18 bairros.

 

 

A Seop também coordena ações conjuntas de ordenamento urbano em pontos críticos da cidade. Elas são definidas a partir de reclamações recebidas pela Central de Atendimento da Prefeitura (telefone 1746), solicitações de órgãos municipais e de outras instituições, como o Ministério Público. Entre as operações já colocadas em prática, destaca-se o trabalho conjunto de combate aos lava-jatos clandestinos no entorno da Mangueira. 

 

0 comentários