Artistas usam grafite para colorir muros de Porto Alegre durante Fórum Social Temático

As necessidades de comunidades de periferia estão sempre entre as preocupações dos grafiteiros ao escolherem o local para mostrar sua arte
 

 

Grafiteiros gaúchos e de outros estados estão aproveitando o Fórum Social Temático (FST) para deixar mais bonitos cantos desprivilegiados de Porto Alegre. O grupo se reúne na Vila Papeleiros, comunidade pobre que reúne em sua maioria catadores de papel, para criar sua arte em muros e casas.

 

 

A ideia foi encabeçada pelo grafiteiro Lucas Anão, conhecido na cena gaúcha e que faz parte do coletivo de artistas Urbanóides. Anão conseguiu verba do orçamento do fórum para garantir as tintas importadas que serão utilizadas nos murais e utilizou as redes sociais para convocar outros grafiteiros. Hoje, cerca de 50 artistas, sete deles de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, foram à Vila Papeleiros trabalhar nas casas e muros da comunidade. “Nós trouxemos para cá porque é um lugar que não teria acesso a uma tinta boa, que vai durar nos muros, nem a artistas desse nível”, explicou Anão.

 

 

De acordo com Anão, os grafiteiros convivem quase em um “socialismo”, porque dividem da comida à tinta, o que tem tudo a ver com a proposta do Fórum Social Temático. Segundo o grafiteiro, a arte é uma troca com a comunidade. “Se tem uma missão é essa: embelezar os muros. O morador cede o muro e passa um dia convivendo com aquela arte. É mais do que material, é uma troca de energia”, disse.

 

 

As necessidades de comunidades de periferia estão sempre entre as preocupações dos grafiteiros ao escolherem o local para mostrar sua arte. Participando do grupo de que atua hoje na Vila Papeleiros, o grafiteiro Tru disse que existe uma busca pela atenção principalmente das crianças. “A periferia é sempre um local bom de fazer grafite, é um local que a pessoa tem dificuldade de ter acesso à cultura. Aqui a garotada vê e já quer saber como entrar para o movimento. É um forma de chegar na gurizada”, explicou.

 

 

Foi assim que o adolescente Tomas Souza, de 15 anos, foi conquistado pelos painéis e muros coloridos. Morador da vila, o rapaz ajudou os colegas a pintar os muros e diz que fez uma opção pelo grafite. “Chama a atenção a cor, a ajuda a não ir para a pixação… E todo mundo aceita melhor o grafite”, disse. Segundo ele, a arte nos muros é uma forma de se expressar sem quebrar regras. “Ajuda a expressar o que está sentindo, o que a gente sabe e até o que não sabe. Quando tenho tempo vago pego o spray e pinto”.

 

 

Os artistas devem terminar os muros da Vila Papeleiros até domingo (27). Na segunda eles seguem para o Presídio de Osório (RS), onde também se reunirão para colorir a paisagem da penitenciária. Antes do fim do fórum, que acaba na próxima quinta (31), eles ainda vão pintar o Túnel da Conceição, em Porto Alegre.

 

Agência Brasil

0 comentários