Sócios da ‘Kiss’ e músicos têm comida especial para evitar envenenamento na prisão

Eles estão em celas isoladas da penitenciária de Santa Maria (RS)
 

Os dois sócios da boate Kiss e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, presos após o incêndio que deixou 238 pessoas mortes em Santa Maria (RS), estão em celas isoladas e comem comida especial na penitenciária da cidade. De acordo com o delegado Marcelo Arigony, a medida foi tomada para evitar envenenamento.

 

 

O sócio Elissandro Spohr foi o último a ser levado para o presídio. Ele ficou nove dias internado e a polícia montou um esquema especial para levá-lo até a cadeia de Santa Maria. Na última terça-feira (5), o delegado chegou a informar o local errado da prisão para evitar que a população se concentrasse na porta da penitenciária.

 

 

Ele disse também que mais de 150 pessoas já prestaram depoimento sobre o incêndio e mais testemunhas devem ser ouvidas até sexta-feira (8).

 

Na quarta-feira (6), foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão na casa dos músicos e recolhidas fotos que mostram que a banda usava sinalizadores durante os shows, idênticos ao que teria provocado o incêndio na Kiss. As imagens servirão de base para o inquérito e podem contestar os depoimentos prestados pelos envolvidos. polícia divulgou também que amostras de sangue de 235 vítimas foram levadas para a Argentina. O objetivo é investigar a presença de cianeto no sangue.

 

 

Incêndio

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, a 290 km de Porto Alegre, deixou 238 mortos e mais de cem feridos. O fogo teria começado quando a banda Gurizada Fandangueira se apresentava. Segundo testemunhas, durante o show foi utilizado um sinalizador — uma espécie de fogo de artifício chamado “sputnik” — que, ao ser lançado, atingiu a espuma do isolamento acústico, no teto da boate. As chamas se alastraram em poucos minutos.

 

 

A casa noturna estava superlotada na noite da tragédia, segundo o Corpo de Bombeiros. Cerca de mil pessoas ocupariam o local. O incêndio provocou pânico e muitos não conseguiram acessar a única saída da boate. Os proprietários do estabelecimento não tinham autorização para organizar um show pirotécnico no local. Além disso, o alvará da casa estava vencido desde agosto de 2012.

 

Redação com fontes

 

0 comentários