Mulheres dominam o setor têxtil e de confecção no Brasil

Cerca de 40% das mulheres que atuam no segmento são arrimo de família
 

A participação feminina na população economicamente ativa é menor quando comparada à masculina. No entanto, num dos setores da indústria de transformação que mais emprega no Brasil, o têxtil e de confecção, as mulheres são maioria. Dos 1,7 milhão de trabalhadores diretos existentes no segmento, cerca de 76%, ou 1,3 milhão, são profissionais do sexo feminino, sendo que 40% delas são arrimo de família.
 
Principal pólo da indústria têxtil e de confecção do país, o estado de São Paulo emprega 390 mil das 1,3 milhão mulheres que atuam no setor, ou seja, 30% do total de trabalhadoras do segmento.
 
“Os números evidenciam que o setor têxtil e de confecção tem respondido positivamente ao desafio de abrir espaço de qualidade para a mulher no mercado de trabalho”, diz Alfredo Bonduki, presidente do Sinditêxtil-SP (Sindicato das Indústrias de Tecelagem e Fiação no Estado de São Paulo).
 
“Essas profissionais foram e ainda são de suma importância para que a nossa indústria chegasse ao potencial que tem hoje. Com 30 mil empresas espalhadas por todo o Brasil, é a quinta maior produtora mundial de têxteis e a quarta em vestuário”, acrescenta.
 
 
Quem são elas?
Segundo pesquisa RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), do Ministério do Trabalho, 30% das mulheres que trabalham no setor têxtil têm entre 30 e 39 anos; 22% (de 40 a 49); 19% (de 18 a 24); 17% (de 25 a 29); 9% (50 a 64); e 3% (outras faixas etárias).
 
No segmento de confeccionados, o perfil etário é bem parecido: 28% têm entre 30 e 39 anos; 21% (de 40 a 49); 20% (de 18 a 24); 17% (de 25 a 29%); 10% (de 50 a 64);  e 4% (outras faixas).
 
No que diz respeito à escolaridade, 43% das mulheres que atuam na fabricação de produtos têxteis têm o ensino médio completo; 18% (ensino fundamental completo); 12% (ensino médio incompleto); 11% (da 6a. a 9a. série do fundamental); 5% (até a 5a. série do fundamental); 4,5% (superior completo); e 6,5% (outros).
 
Na indústria de confeccionados, 45% das mulheres têm o ensino médio completo; 21% (ensino fundamental completo); 13% (ensino médio incompleto); 10% (da 6a. a 9a. série do fundamental); 4% (até a 5a. série do fundamental); 2% (superior completo); e 5% (outros).

 

Assessoria

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.