Encontro internacional debate papel de ouvidorias de comunicação pública

A dinâmica do primeiro dia do encontro entre os ouvidores será a de exposição de experiências nos respectivos países – as mudanças de paradigma da nova lei de Serviços de Comunicação Audiovisual na Argentina
 

A Ouvidoria da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) vai trocar experiências e aprender com o exemplo de ouvidorias de outros países, no Colóquio Internacional de Ouvidorias de Comunicação Pública que começa amanhã (24) e vai até terça-feira (25). O evento é uma parceria com a Ouvidoria-Geral da União (OGU) e vai contar com a presença de ouvidores da Argentina, do México, Canadá, da Colômbia e da Espanha.

 

Na mesa de abertura dos debates estarão a ministra da Secretaria de Comunicação Social, Helena Chagas; o ouvidor-geral da República, José Eduardo Romão; e o diretor-presidente da EBC, Nelson Breve. O tema A Prática do Direito do Cidadão à Informação e à Comunicação será mediado pela ouvidora da EBC, Regina Lima. “Aqui, no Brasil, ainda são poucas as ouvidorias na área de comunicação. Com o evento, também queremos estimular que outros setores de comunicação criem ouvidorias, elas são fundamentais para saber como o público está nos vendo”, explicou Regina.

 

A dinâmica do primeiro dia do encontro entre os ouvidores será a de exposição de experiências nos respectivos países – as mudanças de paradigma da nova lei de Serviços de Comunicação Audiovisual na Argentina; o panorama das ouvidorias nas emissoras públicas de rádio na Cidade do México; e os processos de mediação entre os emissores e o público no Canadá.

 

No segundo dia haverá uma palestra de representantes da Colômbia, sobre a figura do ouvidor e da audiência; e outra palestra da Espanha, sobre a audiência na Andaluzia (região localizada no sul do país). Além dos diálogos expositivos, haverá um painel sobre a opinião como direito humano, conduzido pela ouvidora da EBC, Regina Lima, e um debate com todos os ouvidores convidados sobre o atendimento ao público, a internet e as redes sociais.

 

Agência Brasil

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.