Ministros discutem denúncias de espionagem e ações a serem adotadas

A Polícia Federal coordena as investigações, que serão conduzidas em parceria com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para apurar se houve monitoramento pelos norte-americanos de telefonemas e transmissões de dados de empresas e pessoas brasileiras
 

Os ministros Antonio Patriota (Relações Exteriores), José Eduardo Cardozo (Justiça), Celso Amorim (Defesa), Paulo Bernardo (Comunicações) e José Elito (Gabinete de Segurança Institucional) estão reunidos para analisar as ações a serem adotadas em relação às denúncias de existência de um esquema de espionagem a cidadãos brasileiros por parte dos Estados Unidos. A conversa, segundo assessores, vai detalhar as orientações da presidenta Dilma Rousseff sobre os aspectos referentes à soberania, à segurança e aos pedidos de punição para os responsáveis, assim como solicitações de esclarecimentos.

 

 

A ideia é que a partir de reuniões como esta cada área envolvida nas providências adotadas pelo governo possa atuar em parceria e coordenação.

 

 

Na segunda-feira (8) em Belo Horizonte, Patriota reiterou sua preocupação com as denúncias. Segundo ele, é fundamental aprofundar as discussões. O jornal O Globo publicou reportagens informando que teve acesso a dados obtidos pelo ex-agente norte-americano Edward Snowden, que trabalhava em prestadora de serviços para a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos, indicando que cidadãos brasileiros foram monitorados.

 

 

As reportagens mostram ainda que havia uma espécie de escritório da NSA em parceria com a Agência de Serviço de Inteligência norte-americana (CIA) em Brasília. O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, negou a veracidade das informações, mas não entrou em detalhes.

 

 

Dilma determinou uma série de providências. A Polícia Federal coordena as investigações, que serão conduzidas em parceria com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para apurar se houve monitoramento pelos norte-americanos de telefonemas e transmissões de dados de empresas e pessoas brasileiras.

 

 

Paralelamente, o Ministério das Relações Exteriores deve recorrer à Organização das Nações Unidas (ONU) na tentativa de definição sobre normas claras de comportamento para os países quanto à privacidade das comunicações dos cidadãos e à preservação da soberania dos demais Estados. Também deve pedir providências à União Internacional de Telecomunicações (UIT), em Genebra, na Suíça, para o aperfeiçoamento de regras multilaterais sobre segurança do setor.

 

Agência Brasil

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.