Turismo competitivo é tema de seminário

Secretário executivo do Ministério do Turismo, Valdir Simão, revela como o crescimento da economia turística fortaleceu o mercado interno
 

O bom desempenho da economia turística brasileira e os investimentos do país em competitividade foram temas abordados pelo secretário executivo do Ministério do Turismo, Valdir Simão, no Seminário Turismo e Competitividade. O evento, promovido pela Embratur, autarquia do Ministério do Turismo, ocorreu nesta terça-feira (9), em Brasília, e reuniu representantes de órgãos públicos e entidades privadas do setor.

 

De acordo com Simão, os investimentos em infraestrutura aérea e de transportes terrestres devem elevar a posição do país em competitividade turística. O fato de a economia do turismo ter crescido acima da média da economia nacional ajudou a fortalecer o mercado interno.

 

“A economia do turismo vem apresentando crescimento superior à média da economia nacional, mesmo com a crise internacional”, disse. O faturamento das empresas do setor cresceu, em média, 13% no ano passado, segundo a última Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo. Houve crescimento dos indicadores de receita cambial, chegadas de estrangeiros, viagens internas e aumento nos empregos formais no setor.

 

O presidente da Embratur, Flávio Dino, sugeriu a criação de uma agenda de prioridades para grandes eventos e uma comunicação efetiva dos resultados ao público. Ele citou como exemplo a movimentação financeira de mais de R$ 700 milhões com a Copa das Confederações e os mais de um bilhão previstos com a Jornada Mundial da Juventude.

 

A criação de uma agenda de ações para o turismo que represente os desejos da sociedade foi abordado pela representante da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado, a senadora Lídice da Mata (BA). “Não se pode pensar em turismo como um segmento isolado das grandes questões nacionais”, disse.

 

O presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo, Ronald Ázaro, falou sobre a necessidade de se buscar opções para o aumento das passagens aéreas e a redução na oferta de voos. Ele sugeriu a operação de voos específicos para destinos turísticos, do tipo charter, e a volta dos voos noturnos, geralmente mais baratos.

 

Assessoria

0 comentários