Semana Internacional do Café fechará negócios e discutirá crise no setor

Na avaliação de Silva, o temor do mercado sobre o risco representado por safras volumosas não procede
 

Maior produtor mundial de café, o Brasil sedia de hoje (9) a sexta-feira (13) a Semana Internacional do Café, em Belo Horizonte. A escolha da cidade deve-se ao fato de Minas Gerais concentrar a maior produção do grão no país, sendo responsável anualmente por mais de 50% do total colhido. Durante os cinco dias, 200 delegados da Organização Internacional do Café (OIC) representando 77 países discutirão os rumos da cafeicultura. Haverá ainda premiações e rodadas de negócios, com previsão de movimentação de R$ 20 milhões na feira e R$ 30 milhões indiretamente.

 

 

Um dos temas em pauta ao longo da semana será a crise dos preços do café, que afeta tanto o mercado internacional quanto o doméstico. “Vamos apresentar números para discutir com todos os países-membros e teremos uma conferência de imprensa na quinta-feira [12]”, explica Robério Silva, diretor-executivo da OIC, organização intergovernamental que reúne os principais países produtores e importadores de café. O organismo, que tem sede em Londres, fará reunião comemorativa de 50 anos durante a Semana Internacional do Café.

 

 

Na avaliação de Silva, o temor do mercado sobre o risco representado por safras volumosas não procede. “São expectativas de que você possa ter safras maiores no futuro e que não tenha consumo. Mas o café passou ao largo dessa crise [econômica global]. As pessoas continuam consumindo”, ressalta. Quanto às dificuldades dos produtores brasileiros, que se queixam do custo de produção superior ao preço mínimo, atualmente em R$ 307, o diretor executivo diz que é preciso aguardar os resultados dos leilões do governo. Uma portaria publicada na última sexta-feira (6) no Diário Oficial da União estabeleceu os parâmetros para venda de 3 milhões de sacas a R$ 343 cada.

 

 

O deputado Silas Brasileiro (PMDB-MG), presidente do Conselho Nacional do Café (CNC) e que participará das atividades da Semana Internacional do Café, acredita que a oficialização dos leilões, em que o governo adquire sacas de cafés pelo preço estipulado, ajudará na reação dos preços.“O aviso [sobre os leilões] já é coisa definida, não é especulação. Há também a questão dos agentes financeiros. Mais 16 bancos assinaram contrato com o Funcafé [Fundo de Defesa da Economia Cafeeira, criado por lei e destinado ao incentivo e financiamento da cafeicultura]. À medida que os recursos são passados aos produtores, evita-se o excesso de oferta”, destaca.

 

 

A Semana Internacional do Café é promovida pelo governo de Minas Gerais, pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), pela Organização Internacional do Café (OIC) e pelos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o das Relações Exteriores. Segundo informações da organização, são esperados 12 mil visitantes durante os cinco dias de feira.

 

Agência Brasil

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.