Amapá planeja ter um dos principais portos de exportação do país

O Porto de Santana fica a 30 km da capital Macapá e, em 2012, foi responsável pela exportação de mais de oito milhões de toneladas de minério de ferro, óleo diesel, madeira e contêineres
 

O governo do Amapá quer fazer do Porto de Santana um dos principais entrepostos de exportação do país e interligar a produção brasileira de grãos e minérios aos mercados da Europa e da Ásia, via Canal do Panamá. Com o objetivo de estabelecer um acordo de cooperação entre o Porto de Santana e o Canal do Panamá, o governador do Amapá, Camilo Capiberibe, apresentou o potencial de infraestrutura portuária e logística do Porto de Santana à embaixadora do Panamá, Gabriela Carranza, na última semana.

 

 

 

“Queremos que o Porto de Santana possa ser a porta de entrada das mercadorias que vêm do Panamá para o Brasil. Por meio da nossa localização privilegiada, os custos com o frete diminuirão e o preço dos produtos poderão  ficar mais baratos para os nossos empresários e, principalmente, para os nossos consumidores”, ressaltou o governador Capiberibe.

 

 

 

“Estou impressionada com o potencial do Amapá. Quero voltar a esse Estado para estreitarmos nossas relações comerciais”, disse Carranza, ao participar de encontro de representantes da Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap) e mineradoras.

 

 

 

A embaixadora também visitou o Distrito Industrial, que fica na divisa de Macapá e Santana. Com uma área de 1.300 hectares, o Distrito Industrial abriga 71 empresas, sendo 64 em funcionamento e sete em fase de instalação, com geração de 2.010 empregos diretos, distribuídos em 30 atividades industriais.

 

 

 

O governo do Amapá  trabalha para fazer do Porto de Santana a melhor alternativa para escoar a produção agroindustrial da região Centro-oeste do país. “Exportar pelo Porto de Santana significa uma economia de 30% em relação a outros portos brasileiros. Além disso, o porto dá acesso a Manaus e ao Centro-Oeste, podendo também servir de plataforma à distribuição de produtos a essas duas regiões, que têm um mercado emergente e cerca de 30 milhões de habitantes”, disse o governador.

 

 

 

Informações à imprensa: Ex-Libris Comunicação Integrada – (11) 3266-6088

 

 

 

0 comentários