Emprego na indústria fica estável entre outubro e novembro de 2013

A folha de pagamento real cresceu 2,6% entre outubro e novembro, 1,7% no acumulado do ano e 2,4% no acumulado de 12 meses
 

O emprego na indústria manteve-se estável em novembro de 2013, na comparação com o mês anterior. Em outubro, havia sido observado aumento de 0,1%, o primeiro crescimento depois de cinco meses em queda. Os dados da Pesquisa Industrial Mensal de Empregos e Salários (Pimes) foram divulgados hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

 

Na comparação de novembro de 2013 com o mesmo período do ano anterior, houve queda de 1,7% no emprego industrial. Foram observadas reduções nos contingentes de pessoal ocupado em 14 dos 18 setores pesquisados, com destaque para as indústrias de produtos de metal (-6,8%), calçados e couro (-6,2%), máquinas e equipamentos (-3,8%) e máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-4,4%).

 

 

A queda atingiu 12 dos 14 locais pesquisados. Os principais impactos negativos foram observados em São Paulo (-2,3%), na Região Nordeste (-4,1%), no Rio Grande do Sul (-2,4%), na Bahia (-5,5%), em Minas Gerais (-1,3%) e Pernambuco (-4,2%).

 

 

No acumulado do ano e em 12 meses, houve queda de 1,1%, segundo o IBGE. O número de horas pagas caiu em todos os tipos de comparação: novembro em relação a outubro (-0,4%), novembro de 2013 na comparação com novembro de 2012 (-2,2%), acumulados do ano e em 12 meses (-1,2%).

 

 

A folha de pagamento real cresceu 2,6% entre outubro e novembro, 1,7% no acumulado do ano e 2,4% no acumulado de 12 meses. Houve queda na folha de pagamento de 3,7% na comparação de novembro de 2013 com o mesmo período do ano anterior.

 

Agência Brasil

0 comentários