No canal Viva a atriz Beatriz Segall relembra vilã que interpretou em ‘Água Viva’

'Reviva' lembra as mulheres da trama de Gilberto Braga
 

 

CA49B85951DDAEFC2AD76FABEB8C39

 

“Água Viva” é o assunto do “Reviva” em janeiro. Durante o especial, o programa lembrou as polêmicas, os dramas e os romances dos personagens, além de abordar costumes e modismos da época, como o topless e a trilha sonora, que é tocada até hoje. Para encerrar o mês, a atração homenageia as mulheres da trama de Gilberto Braga – com colaboração de Manoel Carlos, que tem personagens femininas fortes e independentes como Lourdes Mesquita, Stella Simpson, Lígia, Janete, entre outras. E já que elas traduzem o comportamento das mulheres na década de 1980, Beatriz Segall, Betty Faria e Lucélia Santos contam como foi dar vida às personagens deste grande sucesso.

 

 

Beatriz Segall interpreta a vilã Lourdes. “Na verdade, inaugurei o hábito de não fazer caras e bocas, de não fazer uma pessoa horrível quando o papel era de má. Até então, era isso que se fazia. E ela era uma pessoa normal, porque quem é mau não tem isso escrito na testa, né?”, comenta a atriz. A veterana lembra ainda que os atores começaram a gostar de interpretar vilões: “Foi um prazer enorme! Daí para frente, todo mundo queria papel de mau, porque a Lourdes Mesquita acabou tomando conta da novela, né?”, explica.

 

 

Já Tônia Carreiro vive a perua Stella, que se tornou símbolo da emancipação feminina. O crítico de televisão Nilson Xavier, revela porque a personagem marcou tanto a novela, o público e a carreira de Tônia. “Stella era uma mulher de meia-idade, mas totalmente emancipada. Uma milionária excêntrica que fazia o que queria da vida. Também marcava a volta da Tônia às telenovelas, depois de um espaço de oito anos”, comenta.

 

 

Para Betty Faria, a protagonista Lígia marcou as mulheres da época. “Lembro que estive em Portugal depois da novela e tinha acabado de sair da ditadura. Então, ela mexeu muito com a cabeça das portuguesas, deu muita força, no sentido de se libertarem mais. Fiquei muito contente de uma personagem ser um agente modificador, seja qual for”, diz. A Janete de Lucélia Santos também roubou a cena em “Água Viva”. “As pessoas se identificavam muito com ela. Acho que até hoje”, comenta a intérprete.

SEGUNDA-FEIRA, DIA 27, ÀS 22h45
Horário alternativo: sábado, às 19h45, e domingo, à 1h

“Reviva” (classificação livre) – Inédito

VIVA – Canal Globosat

0 comentários