Chávez supera infecção respiratória, informa governo

Em dezembro, Chávez foi operado em Cuba, pela quarta vez, desde que começou um tratamento contra um câncer na região pélvica
 

 

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, superou a infecção respiratória que apresentava, segundo informou o ministro para a Comunicação de Informação do país, Ernesto Villegas. O anúncio foi feito no sábado (26) em cadeia nacional.

 

 

“Após 45 dias da cirurgia para retirada de um tumor maligno na pélvis, com complicações agudas severas, a evolução geral do paciente é favorável”, informou o comunicado lido pelo ministro Villegas, que admitiu também, que apesar de a infecção ter sido superada, o quadro de insuficiência respiratória ainda persiste e está sendo tratado.

 

 

Em dezembro, Chávez foi operado em Cuba, pela quarta vez, desde que começou um tratamento contra um câncer na região pélvica. Segundo Villegas, mesmo hospitalizado e “dentro das possibilidades de cada momento”, o presidente Chávez também tem cumprido com as tarefas de revisão de documentos e feito reuniões com os demais dirigentes do governo venezuelano, direto de Havana, em Cuba.

 

 

O comunicado agradece ainda às inúmeras manifestações de apoio a Chávez pelo momento que ele vive. “O governo bolivariano agradece a estes gestos e convida os povos a segui-los e a acompanhar seu líder revolucionário nas batalhas que restam para que ele alcance o restabelecimento de sua saúde”, enfatizou o documento.

 

 

Durante a reunião da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), em Santiago (Chile), o governo venezuelano apresentou uma carta com a assinatura do presidente Hugo Chávez. A carta foi lida pelo vice-presidente Nicolás Maduro, na manhã de segunda-feira (28), diante dos representantes de 33 países que compõem o bloco.

 

 

No texto, Chávez ratifica a importância política da Celac para fortalecer a unidade regional. “A Celac é o projeto de união política, econômica e social mais importante de nossa história contemporânea”, frisou. Em sua mensagem, o líder venezuelano também condenou o embargo dos Estados Unidos a Cuba e a militarização das Ilhas Malvinas. No que se refere à agenda regional da Celac, Chávez sugere o “rigoroso cumprimento dos programas de alfabetização e erradicação da fome na América Latina e no Caribe”.

 

 

Agência Brasil com informações da agência pública de notícias da Venezuela, AVN

0 comentários