África do Sul lança programa para baratear tratamento de AIDS

O novo programa é resultado da ação conjunta de três laboratórios farmacêuticos, Aspen Pharmcare, Cipla Medpro e Mylan Pharmaceuticals
 

A África do Sul, país com elevado índice de contaminação de HIV/aids, lançou  um programa de distribuição de medicamentos antirretrovirais (ARV) que pretende simplificar e reduzir os custos do tratamento. Pelo programa, os pacientes vão diminuir de três para um a quantidade de comprimidos ingeridos diariamente. O tratamento custará em média 7,50 euros, segundo o Ministério da Saúde sul-africano.

 

Na primeira fase, será dada prioridade às pessoas que receberam o diagnóstico recentemente, principalmente mulheres grávidas e aquelas que amamentam. Os demais pacientes, cerca de 1,9 milhão de pessoas, vão passar a receber uma dose única diária de medicação, após consulta médica.

 

O novo programa é resultado da ação conjunta de três laboratórios farmacêuticos, Aspen Pharmcare, Cipla Medpro e Mylan Pharmaceuticals. O objetivo é abranger 2,5 milhões de pessoas, nos próximos dois anos.

 

O ministro da Saúde sul-africano, Aaron Motsoaledi, disse que o objetivo é ampliar a rede de atendimento aos pacientes que precisam de tratamento específico. Na África do Sul, há cerca de 6 milhões de pessoas infectadas com o vírus da aids, o equivalente a 11% da população do país. As autoridades sul-africanas se preocupam também com a tuberculose.

 

O diretor do Conselho Nacional de Luta contra Aids da África do Sul, Vuyiseka Dubula, disse que os desafios do governo são evitar que as pessoas insistam na sobredosagem e controlar a tuberculose – uma das complicações causadas pelo vírus HIV. Segundo ele, 70% dos soropositivos sul-africanos também sofrem de tuberculose.

 

Agência Brasil

0 comentários