Socorristas enfrentam problemas na busca por sobreviventes nas Filipinas

As autoridades filipinas declararam Estado de Emergência em Tacloban. Também foi decretado o toque de recolher com o objetivo de conter os saques e a proliferação de outros delitos
 

Os socorristas que trabalham na busca de sobreviventes nas Filipinas enfrentam uma série de problemas na ajuda de mais de 9,6 milhões de pessoas afetadas pelo recente Tufão Haiyan, que passou pelo país na sexta-feira (8). Uma das cidades mais afetadas foi Tacloban, além de outras áreas da Ilha Leyte, na região central do país.

 

 

As autoridades confirmaram que já foram encontrados nos escombros 255 mortos, mas temem que este número chegue a 10 mil. Disseram, ainda, que mais de 13 mil casas foram destruídas. A extensão total do desastre ainda não é conhecida por causa de dificuldades na circulação pelas estradas e interrupções dos sistemas de comunicações.

 

 

A torre de controle e o edifício do terminal, no Aeroporto de Tacloban, foram seriamente danificados. Aeronaves militares e equipes de socorro começaram a chegar na região nesta segunda-feira (11), com suprimentos para a população.

 

 

Pessoas feridas e mulheres grávidas foram levadas para uma clínica temporária no aeroporto, criada pelas forças militares. Mas existe uma aparente falta de médicos e de medicamentos.

 

 

As autoridades filipinas declararam Estado de Emergência em Tacloban. Também foi decretado o toque de recolher com o objetivo de conter os saques e a proliferação de outros delitos.

 

 

“As pessoas foram aos supermercados, lojas, farmácias. Basicamente levavam tudo o que podiam, porque não havia qualquer tipo de lei nem ordem e precisavam de comida e de água”, contou Lynette Lim, que colabora com a organização Save the Children e assistiu ao caos que se verificou na cidade após a passagem do tufão.

 

Agência Brasil

0 comentários