Depois de sirenes de alerta acionadas, Rio retorna a estágio de vigilância

Como forma de alerta, as sirenes são acionadas quando são registrados 40 milímetros de chuva no período de uma hora
 

 

 

 As chuvas fortes que atingiram a cidade do Rio de Janeiro, na noite de ontem (15), provocaram o acionamento do sistema de sirenes de alerta em seis áreas de risco de deslizamentos da cidade. As sirenes foram acionadas, de forma preventiva, nas comunidades Morro dos Macacos, Borel, Mangueira, Salgueiro, Parque Candelária e Parque Vila Isabel, na região da Grande Tijuca, a mais afetada pelo temporal de ontem. Por causa do temporal, a prefeitura chegou a ficar em estágio de atenção, mas retornou, no início desta manhã, ao estágio de vigilância, o menos grave na escala da Defesa Civil.

 

O sistema foi acionado das 20h16 às 22h. Apesar disso, uma vistoria da Defesa Civil não identificou pontos de deslizamento nessas áreas. Também na Tijuca, onde, em três horas, choveu 36% do esperado para todo o mês, seis casas foram interditadas na Rua Carvalho Alvim, depois que um muro desabou próximo a elas. Não há registro de vítimas.

 

Como forma de alerta, as sirenes são acionadas quando são registrados 40 milímetros de chuva no período de uma hora, volume suficiente para deixar encostas vulneráveis a deslizamentos. No Morro dos Macacos, choveu além disso: 60,6 milímetros. Vários pontos de alagamento foram observados nos bairros da Tijuca, São Cristóvão e Catete. Os acessos à Praça da Bandeira, um dos pontos mais vulneráveis para alagamento, que fica entre a Tijuca, São Cristóvão e o centro da cidade, foram fechados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio) por mais de uma hora.

 

Fonte – Ag Brasil

0 comentários