PM cerca Museu do Índio no Rio, mas governo diz que não tem data para demolição

O governo do estado informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda não há data prevista para a demolição do prédio do antigo museu
 

 

Soldados do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Rio de janeiro cercam desde às 6h de sábado (12) o antigo Museu do Índio, situado no entorno do estádio do Maracanã, na zona norte da capital fluminense.

 

 

O prédio, que deverá ser demolido para as obras de modernização do complexo esportivo do estádio para a Copa do Mundo de 2014, está ocupado desde 2006 por cerca de 30 índios, que ali fundaram a Aldeia Maracanã.

 

 

Segundo Afonso Apurinan, um dos indígenas moradores da aldeia, o grupo recebeu informações na semana passada de que a desocupação do prédio ocorreria neste domingo (13). “Fomos pegos de surpresa com a chegada hoje dos PMs [policiais militares]”, disse.

 

 

Apurinan disse que a disposição do grupo é “resistir à desocupação”.

No dia 20 de dezembro passado, a Câmara Municipal do Rio colocou em votação projeto de lei do vereador Reimont (PT), que propunha do tombamento do prédio, onde funcionou o antigo Serviço de Proteção ao Índio, antecessor da atual Fundação Nacional do Índio (Funai). No entanto, não houve quórum para a votação, que foi adiada.

 

 

O governo do estado informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda não há data prevista para a demolição do prédio do antigo museu. As obras no entorno do Maracanã estão a cargo da prefeitura do Rio e envolvem a derrubada da Escola Municipal Friedenreich, que será transferida para outro local, e do Parque Aquático Julio Delamare.

 

Agência Brasil

0 comentários