Hospital da Mulher completa 3 anos

Unidade que atende mães e bebês de alto risco já contabiliza mais de 11 mil nascimentos
 

Há três anos, na mesma data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, era inaugurado o Hospital Estadual da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, o primeiro da rede estadual especializado no atendimento a gestantes de médio e alto risco e bebês prematuros. Com uma média de 10,8 mil atendimentos por mês, a unidade é hoje a principal referência para este tipo de serviço na Baixada Fluminense.Neste período, o Hospital da Mulher contabiliza 11.155 nascimentos.

 

 

 

Nos próximos meses, a unidade passará a realizar exames de urodinâmica, além de procedimentos clínicos ou cirúrgicos em uroginecologia para correção de distopias genitais e incontinência urinária, utilizando fisioterapia ou técnicas cirúrgicas convencionais, minimamente invasivas. Outro projeto é o Método Mãe Canguru, voltado para bebês prematuros que, em vez de ficarem na incubadora em tempo integral, estarão em contato com o corpo da mãe, ajudando na recuperação.

 

 

 

– A unidade dispõe de atendimento humanizado, dando todo o suporte também para as famílias neste momento especial e delicado – explicou a subsecretária de Unidades Próprias, Ana Neves.

 

 

 

Serviços que fazem a diferença

 

Casa da Mãe – Local onde a puérpera fica hospedada, caso seu bebê precise permanecer internado para cuidados na UTI ou UI. O espaço recebe mulheres que moram longe da unidade – mínimo de 50 km de distância – ou em lugares de difícil acesso.

 

Teste do Coraçãozinho – O Hospital da Mulher foi a primeira unidade pública no país a realizar o Teste do Coraçãozinho, que detecta doenças cardíacas congênitas em bebês recém-nascidos. O procedimento é indolor e prático e leva menos de 5 minutos.

 

Serviço para portadoras de NTG – Foi inaugurado em julho de 2012 para atender pacientes com neoplasia trofoblastica gestacional (NTG). A doença é identificada em mulheres que suspeitam de gravidez, mas que, na verdade, têm uma mola hidatiforme, tumor com potencial de se tornar maligno. Até agora, 1.760 mulheres foram tratadas na unidade.

 

Selo de qualidade – Com pouco mais de um ano de funcionamento, a unidade recebeu a Certificação Internacional 3M, categoria Diamante, do Programa de Certificação em Esterilização Hospitalar da instituição. O Hospital da Mulher foi o primeiro do Estado do Rio de Janeiro a receber tal certificação e o segundo em todo o Brasil.

 

 

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.