Hospital Estadual da Criança inicia atendimento ambulatorial

Na primeira semana de funcionamento da unidade, 36 pacientes vão passar por avaliação
 

Mais de cem pacientes que estavam na fila de espera do Instituto Nacional de Ortopedia e Traumatologia (Into) foram selecionados para serem operados no Hospital Estadual da Criança, que fica no bairro de Vila Valqueire, na Zona Norte. 

 

Na primeira semana de funcionamento da unidade, 36 crianças vão receber atendimento ambulatorial e passarão pela avaliação da equipe de ortopedia. Algumas aguardam há quatro ou cinco anos para realizar a cirurgia. A ideia é que a unidade estadual ajude a reduzir a demanda no hospital federal.

 

 – Estamos em fase de implantação do serviço de ortopedia, mas já queremos fazer as primeiras cirurgias na semana que vem. As consultas são muito importantes para que os procedimentos sejam reprogramados de acordo com o diagnóstico atual da criança – afirmou o ortopedista do hospital, Erico Slama. 

 

Uma das primeiras pacientes atendidas na unidade, Emilly Mendes, de dez anos, nasceu

com uma doença congênita nos dois joelhos, que prejudica sua locomoção. Ela fez a primeira cirurgia no Into há cinco anos e, desde então, aguarda a segunda no joelho esquerdo, prevista para acontecer ainda este mês.

 

– Ela reclama porque tem que correr pulando para não sentir dor. O Hospital da Criança foi uma ideia excelente. Estamos aliviados. Vamos conseguir finalmente resolver o problema dela – disse o avô da menina, Ayrton Mendes.

 

O menino Samuel, de seis anos, enfrenta a doença de Blount, que afeta as duas tíbias, deixando a perna arcada. Há três anos, aguarda por uma cirurgia. Samuel espera uma recuperação plena após o procedimento.

 

– Quero jogar futebol. Quando crescer, vou ser taxista – afirmou Samuel.

 

Primeira unidade do Rio voltada para atendimento pediátrico, o Hospital Estadual da Criança realiza cirurgias de média e alta complexidade, além de tratamento de câncer.

 

 

 

 

 

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.