Prefeito do Rio vai acabar com a UPP Social

Paes promete criar ouvidorias em favelas para receber queixas e denúncias
 

 

 

O programa UPP Social termina em abril, sem ter cumprido a missão de levar a ocupação social às áreas pacificadas. Em seu lugar, a Prefeitura do Rio lançará o Igualdade de Território, que vai atuar por meio de ouvidorias nas favelas e ficará sob a responsabilidade do vice-prefeito Adilson Pires.

 

Cada comunidade pacificada terá um ouvidor, escolhido entre os moradores, que trabalhará em espaços públicos já existentes. Além de receber reclamações sobre a deficiência na coleta de lixo ou a falta d’água, por exemplo, ele colherá denúncias. O salário a ser pago ainda não foi estabelecido. Em abril, haverá uma chamada pública para firmar um convênio com uma empresa, que vai contratar os ouvidores, segundo o vice-prefeito. O Igualdade de Território ainda tem um nome provisório, mas deverá ser lançado tão logo termine, no dia 10 do mês que vem, o contrato do IPP com a ONU Habitat, por meio do qual funciona o UPP Social.

 

O projeto atual sofreu sucessivos rebaixamentos. Em 2010, ao ser criado pelo economista Ricardo Henriques, então secretário estadual de Assistência Social, tinha o objetivo de articular as secretarias para que serviços públicos como saúde, educação, coleta de lixo e saneamento básico entrassem nas favelas. Logo que começou, veio o primeiro revés.

 

Redação com fontes

 

1 comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. bruno

    as UPPs vai acabar ? isso não é bom sinal