Morte no trânsito cai 42% em janeiro e fevereiro de 2013

Houve ainda uma queda de 6,4% no número de feridos, segundo dados do ISP
 

 

 

O relatório do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontou redução de 42% no número de mortes no trânsito no Rio de Janeiro nos meses de janeiro e fevereiro de 2013, em comparação ao mesmo período do ano passado: 119 contra 69. Houve ainda uma queda de 6,4% no número de feridos.

 

Segundo a coordenadora do Núcleo de Pesquisas em Justiça Criminal e Segurança Pública (Nupesp/ISP), Andréia Soares Pinto, qualquer levantamento realizado pelo ISP é feito com base de registros de ocorrências da Polícia Civil.

 

– Percebemos que 1/3 destas 69 mortes estava relacionado com atropelamentos – disse Andréia.

 

O coordenador da Operação Lei Seca (OLS), major Marco Andrade, disse que a diminuição dos números é significativa, principalmente por ter sido registrada durante o verão e o Carnaval quando as ações da campanha de governo são intensificadas.

 

– Essa redução mostra mais uma vez a importância da Operação Lei Seca. Vale lembrar ainda que o Carnaval deste ano foi o mais seguro nos últimos dez anos. Janeiro e fevereiro é o pico de verão carioca, com um grande número de turistas e pessoas de férias. Especificamente em fevereiro, tivemos o Carnaval, que historicamente é o mês com recorde de vítimas fatais – afirmou o major.

 

No último mês de março, a OLS completou quatro anos, com uma redução de 34% no número de acidentes de trânsito com vítimas fatais (na proporção da taxa de vítimas por 10 mil veículos) em relação aos anos de 2008 e 2011.

 

Há um ano, trabalhando na equipe da Operação Lei Seca, Daniele Costa, de 32 anos, não se cansa de contar aos motoristas durante as blitzes – e no dia a dia – como foi parar em uma cadeira de rodas.

 

– Há quase 10 anos, estou em uma cadeira de rodas. O motorista do carro em que eu estava, na noite do acidente, tinha bebido muito. A 200 metros da minha casa, ele perdeu a direção em uma curva, o carro capotou e eu fui lançada para fora do veículo a uma distância de 23 metros. Fui acordar no hospital. Esta experiência que tive, passo a todas as pessoas que abordo quando estou trabalhando. Na verdade, até quando não estou trabalhando também – disse Daniele.

 

Governo do Rio

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.