Estado do Rio iniciou 2013 com menos contratações

Boletim da FIRJAN mostra que em fevereiro e março foram gerados 24.051 empregos. Porém, o resultado não foi suficiente para reverter o saldo negativo no trimestre
 

O estado do Rio gerou 24.051 empregos nos meses de fevereiro (+8.692) e março (+15.359), mas isso não foi suficiente para reverter o saldo negativo no trimestre, determinado pelo pior janeiro dos últimos dez anos, com saldo de menos 24.650 empregos. O resultado de março interrompeu a trajetória de queda das contratações no mercado de trabalho fluminense, sendo 30% superior ao mesmo mês do ano passado, quando foram gerados 12.010 postos de trabalho. 

Nos três primeiros meses de 2013, o saldo ficou negativo, indicando o fechamento de 599 postos de trabalho, resultado que contrasta com os 27.487 empregos formais gerados no primeiro trimestre de 2012. Os dados são do “Boletim de Mercado de Trabalho Fluminense – 1º trimestre de 2013”, divulgado nesta quinta-feira, dia 2, pela FIRJAN (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

Na análise por setores econômicos, o Comércio registrou volume significativo de demissões no primeiro trimestre, com saldo de menos 18.839 postos de trabalho. A Administração Pública (-430) e a Agricultura (-177) também apresentaram mais dispensas do que contratações. Ainda que não tenham registrado resultado negativo no período, todos os demais setores da economia fluminense registraram redução do volume de contratações na comparação com o mesmo período do ano passado. A Construção Civil manteve-se como a maior contratante do mercado de trabalho fluminense no primeiro trimestre, com criação de 8.104 postos de trabalho. No entanto, registrou queda de 53,5% em relação ao primeiro trimestre de 2012.

Já a Indústria fluminense gerou 2.766 novos empregos formais nos três primeiros meses do ano, frente a 4.516 no mesmo período do ano passado. A redução nas contratações ocorreu tanto na indústria extrativa e de Serviços Industriais de Utilidade Pública (SIUP), que registraram saldo de +46 e +287, respectivamente, como na indústria de transformação, que abriu 2.433 vagas. O saldo positivo na indústria de transformação foi sustentado pelas contratações em Alimentos e bebidas (+2.587), que foram recorde para um primeiro trimestre. O destaque ficou por conta de Catering, bufê e outros serviços de comida preparada no município de Duque de Caxias. Outras contribuições positivas partiram das indústrias de Material de transporte (+705), majoritariamente a indústria naval, Química (+516) e, em menor escala, Material elétrico e de comunicações (+34).

A nota técnica “Mercado Formal de Trabalho Fluminense – 1º trimestre 2013” pode ser acessada através do link http://migre.me/emJei.

 

Agência Brasil

0 comentários