Gestantes adolescentes recebem atendimento especial no Hospital da Mãe

Projeto inclui palestras sobre planejamento familiar e cuidados com o bebê
 

Gestantes adolescentes da Baixada Fluminense recebem atendimento especial no Hospital Estadual da Mãe, em Mesquita. Uma vez por semana, as futuras mães se reúnem com profissionais de Saúde para discutir temas relacionados à gravidez, no Centro de Estudos e Atendimento da Mulher Adolescente, projeto inaugurado este mês na unidade. O foco em oferecer um cuidado diferenciado tem motivo: vinte por cento das pacientes do hospital são menores de idade.

 

Para participar do projeto, a gestante precisa ter menos de 19 anos e fazer o pré-natal na unidade estadual. Nos encontros, as jovens frequentam debates sobre assuntos como planejamento familiar, aleitamento materno, importância da continuidade dos estudos, contracepção e cuidados com o bebê. A ideia é realizar a troca de experiências entre as participantes. Aos 17 anos e grávida de sete meses do primeiro filho, Ana Luiza de Azevedo foi à reunião acompanhada de sua mãe, Janete Jamar.

 

– O apoio da minha mãe e da família estão sendo muito importantes nesse momento. E as orientações que encontrei aqui na palestra vão me ajudar a sentir ainda mais segurança quando o bebê chegar – disse Ana Luiza.

 

Linguagemsimples e didática

 

Cerca de 15 gestantes são atendidas a cada encontro, que dura cerca de uma hora e é comandado por uma assistente
social e uma psicóloga do hospital. Usando uma linguagem simples e didática, as profissionais abordam os temas propostos e estimulam a participação das futuras mães.

 

– É uma oportunidade de passar informações de forma mais consistente e sensata, já que a maioria dessas jovens vai raramente a médicos e, por isso, sabem pouco sobre prevenção de gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. Grande parte das informações chega de forma equivocada e inadequada a essas meninas. Os temas são pouco discutidos – explicou o diretor do Hospital Estadual da Mãe, Sérgio Teixeira.

 

Moradora de Nilópolis, Jéssica Aparecida da Silva, de 16 anos, se prepara para o nascimento de sua segunda filha. Para ela, saber mais sobre planejamento familiar é o mais interessante do projeto.

 

– Nenhuma gravidez foi planejada e não dá pra continuar nesse ritmo. Quero aprender sobre como evitar a gestação e tirar outras dúvidas com a psicóloga da unidade – afirmou Jéssica.

 

Governo do Rio

0 comentários