Mães participam de ação contra violência no trânsito

Ato foi promovido pelo Detran e RIOSOLIDARIO no Centro do Rio de Janeiro
 

Uma ação contra a violência no trânsito foi realizada, nesta sexta-feira (10), no Centro do Rio. O ato, idealizado pelo Detran e pelo RIOSOLIDARIO, obra Social do Rio de Janeiro, contou com a participação de mães que perderam seus filhos em acidentes de trânsito. A iniciativa integra a 2ª Semana de Segurança do Trânsito das Nações Unidas, que acontece até domingo (12), onde o tema abordado é o pedestre.

 

 

Segundo a diretora de Habilitação do Detran, Janete Bloise, a educação no trânsito deve ser ensinada à pessoa desde a fase infantil. “Todos nós somos responsáveis pelo o que acontece nas vias”, explicou Bloise.

 

Ao momento em que os sinais das esquinas da Avenida Rio Branco e da Rua da Assembleia eram fechados, aproximadamente 30 estagiários do RIOSOLIDARIO, abriram faixas alusivas ao acontecimento. A ideia foi mostrar o contraste entre a violência do trânsito e o cuidado das mães com a vida dos seus filhos. “O processo a ser desenvolvido nestas campanhas educativas no trânsito em parceria com o Detran tem como premissa que formar não é somente transmitir conhecimento, é muito mais que puramente treinar o educando no desempenho de destrezas. É criar possibilidades para a produção e construção, desenvolver o potencial, estimular a reflexão crítica, promover a cidadania e oportunizar a vivência de experiências laborativas em espaços empresariais”, explicou a gerente dos programas Emplacando Vidas e Passo a Passo, Simone Pereira, ambos do RIOSOLIDARIO.

 

Maria Célia Novaes, de 51 anos, contou sobre a forma trágica em que perdeu seu filho em decorrência de um acidente de trânsito. “Perdi o meu filho mais novo em fevereiro deste ano. Meu filho estava pilotando uma moto, em Madureira, onde aconteceu uma colisão com uma Kombi. É preciso ter muita cautela e atenção nas ruas”, disse.

 

Ao mesmo tempo, mães que perderam seus filhos em acidentes de trânsito, vestindo camisetas com as fotos deles, entregaram vasos com flores a condutores que agiram dentro das normas que regulam o tráfego. “Minha filha morreu atropelada após sair da faculdade. Esta conscientização realizada aqui é importante, pois devemos ensinar à criança de como ela deve se comportar no trânsito durante toda uma vida”, falou.

 

Prudenciana Azevedo, que teve a filha morta por um motorista que não prestou socorro, ressaltou a ação ser essencial este tipo de ação. “As regras de trânsito devem ser respeitadas. Quanto mais cedo a pessoa ser ensinada, melhor”, concluiu.

 

Informações da assessoria

0 comentários