Metrô Rio põe à venda nome das estações para ter mais receita

O engenheiro de Transportes Fernando Mc Dowell diz que a proposta só vale se houver redução da tarifa
 

A concessionária que administra o metrô está anunciando a venda dos nomes das estações. A medida é apresentada no site da empresa como “o primeiro programa de patrocínio corporativo das autoridades de transporte do Brasil, incluindo direitos de nome, uma estratégia desenvolvida para parceiros exclusivos e bem estabelecidos em toda a amplitude dos ativos e instalações”. Ainda segundo o texto, a iniciativa, em parceria com a IMX — empresa de Eike Batista —, tem o objetivo de identificar oportunidades de receita adicionais além das plataformas atuais, com propagandas e lojas.

 

 

Pelo projeto, batizado de Estação Patrocinada e que estimula as empresas a transformarem suas marcas em referência para a cidade, estações como Cinelândia, Cantagalo ou Pavuna receberiam um primeiro nome, no caso, das empresas que fecharem negócio com a concessionária Metrô Rio.

 

 

Em outro trecho de apresentação do projeto no site, a Metrô Rio diz que está criando negócios em várias dimensões: “Ele gera oportunidades exclusivas, comunicação dinâmica e plataformas de promoção, acesso a ativos e propriedades de classe mundial do MetrôRio e conexões de marca inovadoras”.

 

A concessionária diz, ainda, que o programa oferece para as empresas a oportunidade de mostrar o comprometimento com o Rio e a sociedade carioca. E que procura parcerias em longo prazo.  O engenheiro de Transportes Fernando Mc Dowell, que participou de processos de concessão como da Via-Lagos e da Ponte Rio-Niterói, diz que uma parceria público-privada só tem sentido se tiver objetivo social, e classificou a proposta da Metrô Rio de absurda.

 

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.