Manifestantes dividem bolo com a polícia em protesto perto da casa do governador do Rio

Na praia de Copacabana, zona sul do Rio, a organização não governamental Rio de Paz colocou na areia 500 bolas de futebol pintadas com cruzes vermelhas
 

Os manifestantes acampados na esquina da Avenida Delfim Moreira com a Rua Aristides Espíndola, no Leblon, na zona sul do Rio, próximo à casa do governador do Rio, Sérgio Cabral, distribuíram pedaços de bolo para os policiais militares, que estão no local para garantir a integridade de quem participa do protesto Ocupe a Delfim Moreira e o fechamento da Aristides Espíndola, entre a Delfim Moreira e a Rua General San Martin. É nesse trecho que está o prédio onde mora o governador.

 

O bolo foi distribuído quando foram completadas 24 horas de permanência dos manifestantes no local. “Essa comemoração representa uma nova relação da população com a polícia, que aqui está agindo de maneira democrática”, disse o estudante de direito da PUC Rio, João Pedro Menezes, um dos organizadores da manifestação que, de acordo com ele, vai seguir até segunda-feira. No fim da manhã e durante a tarde de sábado (22), muitos manifestantes participavam do protesto junto com os filhos. Alguns com menos de 1 ano. As crianças brincavam em meio a cartazes, que entre outras mensagens pediam mudanças na política do país.

 

A única ocorrência policial foi a prisão de um motorista, que avançou o bloqueio da CET-Rio que isolava a manifestação na Avenida Delfim Moreira. Ele foi levado para a delegacia de polícia número 14, no Leblon, e preso por embriaguez ao volante e injúria por preconceito. O homem foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal, mas se recusou a fazer exame de embriaguez. Ele pagou a fiança e foi liberado.

 

Na zona oeste da cidade, a Secretaria Municipal de Transportes, por causa de uma manifestação, interrompeu o trânsito na Avenida das Américas na altura da Estação Mato Alto. A interrupção suspendeu o serviço Santa Cruz – Alvorada do BRT Transoeste, corredor de ônibus com 40 quilômetros de extensão que liga bairros da zona oeste a alguns da zona norte.

 

Na praia de Copacabana, zona sul do Rio, a organização não governamental Rio de Paz colocou na areia 500 bolas de futebol pintadas com cruzes vermelhas. Elas representaram, segundo o presidente da entidade, Antônio Carlos Costa, 500 mil homicídios que aconteceram nos últimos 10 anos no Brasil.

 

Agência Brasil

0 comentários