Novas cadeias públicas abrem vagas para mais de mil detentas

Unidades inauguradas em São Gonçalo contam com consultórios médicos e salas de Raios-x
 

O Governo do Estado, através do Grupo Executivo do Programa Delegacia Legal, inaugurou ontem duas cadeias públicas no município de São Gonçalo, na Região Metropolitana. Montadas e equipadas pela Secretaria de Administração Penitenciária, as unidades batizadas de Juíza Patrícia Lourival Acioli e Isap Tiago Teles de Castro Domingues têm capacidade para 616 detentas cada uma.

 

 

Construídas em concreto pré-moldado com adição de fibras de polietileno, as novas cadeias públicas se enquadram em padrões arquitetônicos mais modernos, que prezam o conforto e a saúde das internas. As unidades contam com consultórios para atendimento médico, ambulatorial, odontológico e psicológico, duas salas com aparelhos de Raios-x, uma central de material esterilizado e um posto de enfermagem. Nas celas, a capacidade máxima é de seis mulheres.

 

 

As cadeias também terão espaços para salas de aula, cultos ecumênicos e uma área destinada à reciclagem de garrafas PET. Uma outra novidade foi a criação de celas adaptadas para portadores de necessidades especiais. Detentas em situação de risco terão espaços de isolamento e haverá ainda celas destinadas à visita íntima.

 

 

O novo modelo de cadeia também proporciona mais conforto aos familiares. Em um espaço multiuso no lado externo, foi construído uma ampla área coberta com bancos, bebedouro industrial, banheiros e uma pequena área de lazer para crianças.

 

 

Segundo o secretário de Administração Penitenciária, Cesar Rubens Monteiro de Carvalho, a expectativa é de que pelo menos uma das unidades comece a receber internas a partir do fim de julho. Ele afirmou ainda que a proposta é de, futuramente, trazer mulheres das instalações do complexo prisional, localizado em Bangu.

 

 

“Aqui será o portão de entrada das unidades femininas. As detentas farão triagem em um tempo médio de 10 dias e, depois, serão encaminhadas para um hospital ou uma unidade prisional, dependendo do quadro de saúde”, disse o secretário.

 

 

O Estado e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) investiram R$ 32,5 milhões na implantação da unidade Isap Tiago Teles de Castro Domingues e R$ 31,2 milhões na Cadeia Pública Juíza Patrícia Lourival Acioli. Desde o início do programa Delegacia Legal, já foram construídas 16 cadeias públicas em todo o estado: oito no Rio de Janeiro, uma em Campos, uma em Itaperuna, uma em Volta Redonda, duas em Magé, uma em Japeri e duas em São Gonçalo.

 

GOVERNO DO RIO

0 comentários