Projeto que recicla computadores em comunidades do Rio será implantado em Angola

Ainda não há data para o lançamento do programa em Angola, mas a implantação já começou
 

Mais 120 alunos do Projeto Fábrica Verde receberam nesta sexta-feira (14/06) o certificado de conclusão de curso profissionalizante de reciclagem, montagem e manutenção de microcomputadores na Rocinha, em São Conrado, zona sul do Rio. O programa visa a promover a capacitação profissional por meio da conscientização ambiental em comunidades pacificadas do estado. A iniciativa está sendo internacionalizada, com a implantação da primeira fábrica em Luanda, Angola, país africano de língua portuguesa.

 

De acordo com a superintendente de Território e Cidadania da Secretaria Estadual do Ambiente (SEA), Ingrid Gerolimich, a implantação do projeto no país africano começou com uma visita do vice-ministro angolano do Ambiente, que convidou os organizadores para participarem da Feira Internacional de Luanda (FIL), que tinha como tema as novas tecnologias ambientais. “Estivemos lá expondo o projeto, promovemos ali, com a ministra do Meio Ambiente [de Angola], reuniões técnicas para montar essa cooperação”, explicou.

 

A superintendente explicou que ainda não há data para o lançamento do programa em Angola, mas a implantação já começou. “Eles estão na fase inicial, que dura cerca de dois meses”, explicou.

 

Segundo a formanda Daniela Ribeiro, de 26 anos, o projeto foi importante para somar conhecimento e entrar no mercado profissional. “Eu quis fazer o curso para aprender mais, saber mais sobre computador. Eu ainda não estou trabalhando com isso [montagem e manutenção de computadores], mas pretendo. O curso me ensinou muito”.

 

Para a superintendente da SEA, o projeto, além conscientizar ambientalmente o jovem, abre portas no mercado de trabalho. “Muitos jovens têm seu próprio negócio na comunidade, atuando como técnicos de montagem e manutenção. E, além disso, eles se tornam agentes de disseminação de uma nova consciência ambiental. Os dois caminhos são muito importantes, tanto para gerar emprego quanto para criar uma consciência ambiental”.

 

Ingrid Gerolimich informou que, no próximo dia 2 de julho, será implantada a terceira Fábrica Verde no Rio de Janeiro, na comunidade do Salgueiro, na zona norte. O curso de montagem e manutenção de computadores dura três meses e qualquer jovem com mais de 16 anos, morador de comunidade, que esteja estudando ou tenha concluído o ensino médio, pode participar do projeto. A superintendente calcula que cerca de 25% das pessoas formadas pelo programa estejam atuando no mercado de trabalho formal.

 

A cerimônia de formatura contou com apresentações musicais e de danças de grupos culturais da comunidade. O projeto possui unidades na Rocinha, na zona sul, e no Complexo do Alemão, na zona norte, tendo como objetivo reciclar computadores usados e reaproveitá-los para a inclusão digital de jovens e adultos de comunidades carentes do Rio de Janeiro. Ao todo, 1.080 alunos já se formaram pelo programa.

 

Agência Brasil

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.