Peça escrita pelo Papa João Paulo II, estreia nesta quinta, dia 4

“Enlace - A Loja do Ourives”, no Centro Cultural João Nogueira, no Méier
 

O musical ENLACE – A LOJA DO OURIVES“, adaptação da peça escrita por João Paulo II,  estreia nesta quinta, dia 4 julho, no Centro Cultural João Nogueira, antigo Imperator, na Zona Norte do Rio.

 

 

A super produção é uma comédia musical romântica, que conta com 25 atores-cantores e 05 músicos, e é protagonizada pela atriz Claudia Ohana, que dará vida à heroína da trama: Teodora. Também no elenco atores com larga experiência como Claudia Lira, Luis Guilherme, Gisele Tigre, Rodrigo Phavanello e Fabiano Augusto, além de jovens talentos do teatro musical como Camila Camargo, Mariana Arôxa, Julio Oliveira, Douglas Sampaio, entre outros. 

 

 

A montagem é um musical, adaptado da peça “A Loja do Ourives” de Karol Wojtyla, o Papa João Paulo II, sem nenhuma conotação religiosa. Trata-se de uma história de amor, escrita em 1960, quando ele ainda era Bispo de Cracóvia. 

 

 

O Papa João Paulo II aborda nesse texto os desafios do casamento. Com muita leveza ele evidencia que não basta o amor para garantir um casamento feliz. Isso comprova a abordagem ousada e moderna que ele sempre teve como religioso, e também como artista. Afinal poucos conhecem o lado artístico do Papa João Paulo II, mas ele na sua juventude foi ator, e teve uma forte ligação com o teatro. 

 

 

 

Até chegar à montagem deste espetáculo, uma longa estrada foi percorrida. Com tantas idas e vindas que daria pra se montar um outro musical, tamanha a epopeia vivida por Lourdes. Esse é o nome dela: Maria de Lourdes Muniz de Mello – uma mulher obstinada que há 32 anos colocou uma ideia na cabeça e um sonho no coração: montar uma peça de teatro que João Paulo II havia escrito, aos 40 anos de idade. Ao ouvir, pelo rádio, que Karol Wojtyla, além de ator, havia também escrito essa peça, Lourdes moveu céus e terra para conseguir ver realizada sua empreitada. Foi a Dom Paulo Evaristo Arns, então Arcebispo de São Paulo, recorreu a Dom Bruno Giuliani, que movimentou o Vaticano, percorreu verdadeira via-sacra, indo de padres a cardeais até que o sonho de ver esta obra montada pudesse ser uma realidade. O desafio era obter as autorizações para adaptar a obra e viabilizar esse grande espetáculo. 

 

 

Essa versão, que teve sua estreia em maio de 2012 em São Paulo, e agora estreia no Rio de Janeiro  com novo elenco e figurinos, tem adaptação exclusiva, narrada em dois atos, com canções originais que ajudam a cruzar a história de amor de três casais. É através do Ourives, o personagem que acompanha e conduz os fatos dessa história, que é contada a saga musicada de três mulheres de uma mesma família: Teodora (Claudia Ohana) que vive o amor ideal no cenário da II Guerra Mundial, da sua filha Ewa(Claudia Lira) que em plena revolução sexual dos anos 70, se nega a casar e assumir compromissos, preferindo a liberdade a todo custo. E a cômica e conflituada Malina(Camila Camargo), neta de Teodora, e filha de Ewa, que em plena década de 80, queda do Muro de Berlim, vive imersa na individualidade contemporânea, em conflito direto com o pânico de estragar sua vida casando-se. As três histórias são contadas em canções e cenas divertidas e poéticas  nesse musical que mescla três tempos, três tramas românticas, com lirismo e beleza, passando por momentos fundamentais da história da humanidade no último século. 

 

 

A saga dessas três gerações tem como pano de fundo marcos políticos, sociais e culturais que mudaram a história da humanidade. Começa com a explosão da II Guerra Mundial, passando pelos hippies, Woodstock, e chegando às rupturas e à sociedade mais consumista e individualizada dos anos 80. Esse cenário explica muito do comportamento e dos padrões de como amar e ser amado das personagens, e é partindo dessas possibilidades que as histórias serão contadas e cantadas em cena.

 

 

O curioso na obra original do Papa é não se tratar de uma peça religiosa, aliás, ele não toca na questão católica. O Papa João Paulo II consegue construir um texto existencial, que põe na pauta a capacidade humana de amar e conviver. Fala, com realismo, das várias faces e possibilidades do casamento. E toda a metáfora gira em torno do ourives, aquele que trabalha com o ouro – metal mais puro e precioso, numa analogia ao amor, sentimento, igualmente tão puro e precioso.

 

O espetáculo

‘Enlace, a Loja do Ourives’ tem Direção de Roberto Lage, Direção Musical de Thiago Gimenes, Direção Geral de Jô Santana e Realização de Maria de Lourdes Muniz de Mello Lourdes, Adriana Muniz de Mello e Jô Santana. A adaptação do texto ficou ao encargo do dramaturgo Elísio Lopes Jr, que assina a primeira adaptação da obra do Papa João Paulo II, autorizada pelo Vaticano para o Brasil.  

 

 

A peça faz parte da programação cultural da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontece em julho no Rio com a participação do Papa Francisco. A montagem também tem circulação nacional prevista para 2013.

 

 

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.