Jovem tem a vida salva no centro de trauma do Hospital Alberto Torres

Com dois meses de funcionamento, espaço se consolida como referência
 

hosp_Alberto_Torres_-_centro_de_traumaCom apenas dois meses de funcionamento, o novo Centro de Trauma do Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, se consolida como moderno polo de atendimento na área de traumatologia do país. É também o primeiro núcleo de referência voltado para pacientes politraumatizados no estado. Resultado de um projeto que começou em 2010, com a consultoria técnica do Centro de Trauma de Baltimore, nos Estados Unidos, o governo investiu R$ 6,2 milhões em infraestrutura e equipamentos.

 

 

– A rede pública fluminense passa a contar com a mesma política de atendimento de trauma que permitiu a redução de 50% no número de óbitos entre as vítimas politraumatizadas nos Estados Unidos – disse o secretário de Saúde, Sérgio Côrtes.

 

 

O investimento no setor fez a diferença para a adolescente Aglaya Magalhães D’Ávila, de 16 anos, que sofreu lesões no baço e no fígado, após um acidente de carro. Ela foi uma das primeiras pacientes operadas na unidade.

 

 

– Conseguimos salvá-la devido à estrutura de excelência do novo centro. A equipe segue protocolos internacionais de abordagem e tratamento, que aumentam a sobrevida do paciente – explicou o coordenador de Trauma e Núcleos Especializados da Secretaria de Saúde, Rogério Casemiro.

 

 

Treinamento foi feito nos Estados Unidos

Além do Centro de Trauma de Baltimore, na Universidade de Maryland, considerado referência em todo o território norte-americano para casos de politraumatismo e também para atendimento ao presidente Barack Obama, os profissionais brasileiros do da unidade foram treinados também no Ryder Trauma Center, da Universidade de Miami, e no Children’s Hospital, dedicado à criança, em Washington.

 

 

A equipe preparada no exterior tem feito o papel de multiplicadora e utiliza as normas do protocolo internacional de atendimento para capacitar os demais profissionais no Brasil.

 

 

Profissionais especializados

No total, 55 médicos, 26 enfermeiros e 102 técnicos de enfermagem trabalham no centro. Entre as especialidades, estão ortopedia, cirurgia geral e vascular, anestesia, neurocirurgia, cirurgia pediátrico com formação em trauma e cirurgia torácica. Segundo Casemiro, a equipe é especializada em casos de alta complexidade.

 

 

– A previsão é de que sejam atendidos em torno de dez casos por dia somente na nova unidade, aumentando a nossa capacidade de resposta no estado – disse Casemiro.

 

Governo do Rio

0 comentários