Investigações apontam que fotógrafo foi vítima de latrocínio em Itanhaém (SP)

Apoiado em provas produzidas no inquérito, o delegado pediu no final da tarde da última quarta-feira (2/10) a prisão temporária do suspeito
 

O delegado Douglas Borguez, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Itanhaém, disse estar convencido de que o repórter-fotográfico do jornal A Tribuna, Paulo Freitas, de 57 anos, foi assassinado e que o crime ocorreu por motivação patrimonial. Um dos dois supostos autores do latrocínio foi identificado, no entanto, ainda não se sabe o paradeiro deles.

 

 

Segundo A Tribuna, a polícia chegou à identidade do suspeito depois que uma testemunha, na qual a DIG mantém em sigilo, telefonou para o celular do suspeito. A ligação foi feita na unidade especializada. Ao perguntar ao acusado sobre o paradeiro do fotógrafo, ele confessou: “dei um fim nele”.

 

 

Apoiado em provas produzidas no inquérito, o delegado pediu no final da tarde da última quarta-feira (2/10) a prisão temporária do suspeito. Era com ele que Paulo Freitas estava na noite de sábado, última vez que foi visto. O pedido deve ser avaliado nesta quinta-feira (3/10).

 

 

‘O irmão de pretensos amigos é que provavelmente teria cometido o crime. As investigações já estão avançadas e são nesse sentido, um crime bárbaro, grave”, afirmou o delegado.

 

 

Uma calça jeans que pertencia ao profissional foi encontrada na casa da irmã do suspeito e o carro foi localizado trancado, com um dos vidros abertos no Centro de Mongaguá (SP), após uma denúncia. O veículo estava estacionado na esquina da Rua Duque de Caxias com a Avenida São Paulo. De acordo com a polícia, o som e o estepe foram roubados e roupas foram encontradas no porta-malas.

0 comentários

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.