Produtividade policial aumenta em todo o estado

Atividades como prisões apresentaram alta entre janeiro e agosto deste ano
 

Os números comprovam o crescente empenho e competência dos policiais civis e militares no combate à criminalidade no estado. Os indicadores de produtividade do trabalho policial medidos pelo ISP (Instituto de Segurança Pública) apresentaram alta entre janeiro e agosto de 2013 em relação ao mesmo período do ano passado. Os quesitos apreensões de adolescentes e de drogas e prisões foram os que tiveram maiores destaques.

 

 

Até o oitavo mês deste ano, os agentes prenderam 19.968 criminosos, 3.441 a mais do que igual período de 2012. Em números absolutos, as apreensões de drogas também aumentaram: foram 11.699 no período, enquanto no anterior foram 9.452 entorpecentes. Outra atividade de destaque foi a apreensão de adolescentes, somando 4.624, 35,9% a mais.

 

 

“Além do Sistema Integrado de Metas, da Secretaria de Segurança, os agentes seguem diretrizes estabelecidas pela Polícia Civil para o sucesso dos indicadores”, explicou a chefe de Polícia Civil, Martha Rocha. 

 

 

São Gonçalo na primeira posição do ranking

Os policiais da 7ª Área Integrada de Segurança Pública (Aisp), que compreende o município de São Gonçalo, deixaram a região na primeira posição do ranking em dois indicadores. Foram responsáveis por 11,7% dos registros de apreensões de menores em todo o estado, somando 542 casos, e 6,3% do número de prisões em território fluminense, o que representou 1.249 reclusões.  

 

 

Com efetivo de 648 homens, o comandante do 7° BPM, em São Gonçalo, tenente-coronel Carlos Sarmento, realiza operações todos os dias baseado nos trabalhos de inteligência. 

 

 

Maior sensação de segurança

“Os bons índices são resultados de estratégias. Em agosto, reabrimos os seis postos de policiamento comunitário e a população comenta que a sensação de segurança aumentou”, afirmou o tenente-coronel. 

 

 

A Aisp 37 – que contempla Resende, Itatiaia, Porto Real e Quatis – ficou em primeiro lugar na apreensão de drogas, com 10,1% do total fluminense. Para o comandante do 37º BPM, em Resende, 
tenente-coronel Luiz Cláudio Regis, o resultado se deve à parceria entre as polícias militar e civil e à participação da população através de denúncias.

 

 

“Temos a parceria do Ministério Público, judiciário e delegados”, disse o comandante.

0 comentários