Delegacias móveis facilitam atendimento à população

Unidades instaladas em eventos e operações policiais são exemplos de projetos importantes da Polícia Civil
 

As delegacias móveis se tornaram exemplo de ações realizadas pela Polícia Civil com o objetivo de proporcionar um melhor atendimento à população. As unidades são implantadas em diferentes situações: no processo de pacificação de comunidades, quando grandes operações policiais são deflagradas; durante grandes eventos como Rock in Rio, Jornada Mundial da Juventude (JMJ) , Copa das Confederações e Bienal do Livro; e em trabalhos conjuntos com o Tribunal de Justiça (TJ), quando o órgão implanta o Juizado Especial do Torcedor nos estádios, por exemplo.

 

Delegacias móveis facilitam atendimento à população

 

 

As unidades móveis têm sido grandes facilitadoras que, além de desafogarem as delegacias das regiões onde atuam, cumprem objetivos como oferecer conveniência para que o cidadão registre boletins de ocorrência, reduzir as subnotificações (ocorrências que deixam de ser registradas) e propiciar maior integração entre as forças policiais, a Justiça e o Ministério Público.

 

– Com a implantação das delegacias móveis, a Polícia Civil leva à sociedade o atendimento para mais perto de onde o fato está acontecendo. Com isto, conseguimos atingir várias metas, entre elas levar maior conveniência e comodidade às pessoas, diminuindo a subnotificação, ou seja, possibilitando que vários crimes que não integrariam as bases de dados da Polícia as integrem. E são estas bases que instruem o planejamento máximo da Segurança Pública – explicou o delegado Fernando Veloso, subchefe Operacional da Polícia Civil.

 

Auxílio no processo de pacificação

 

Cada delegacia móvel conta com inspetores para o atendimento inicial, papiloscopistas do Instituto Félix Pacheco para identificar as pessoas envolvidas e peritos legistas e de química. Quando há condições de lavrar autos de flagrante, há também um delegado responsável. Os policiais empregados nestas unidades recebem pelo RAS (Regime Adicional de Serviço), ou seja, a corporação não desfalca nenhuma delegacia ou unidade para que eles cumpram serviço nas unidades volantes.

 

Em grandes operações com movimentação intensa de policiais – seja numa operação comum ou de retomada de territórios pelo Estado – costuma haver um aumento grande das demandas nas delegacias locais, por isso a Polícia utiliza as delegacias móveis, que, além de desafogar o fluxo das delegacias fixas, tornam mais fácil a checagem das identidades de suspeitos e de mandados de prisão. Foi o que aconteceu na Barreira do Vasco, no dia 2 de março, e no Complexo do Lins, entre 4 e 7 de outubro, quando ambas as comunidades receberam operações anteriores à instalação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).

 

Outra situação de operação policial recente, quando foi instalada delegacia móvel, foi durante a operação Netuno, no Complexo da Maré, no dia 13 de novembro. Na ocasião – quando 500 policiais foram mobilizados – foram cumpridos 26 mandados de prisão, dois dos quais na unidade móvel. O equipamento também recebeu 16 suspeitos, que tiveram suas identidades levantadas e seus nomes consultados nas bases de dados da corporação.

 

Operação Verão 

Recém-instalada no Arpoador, na Zona Sul, a unidade móvel participa da Operação Verão da Polícia Civil até o fim de semana que antecede o Carnaval. Funcionando das 9h às 19h aos sábados e domingos, em um ônibus próprio, a delegacia conta com 25 policiais em diferentes funções.

 

Delegacias Móveis em grandes eventos:

 

Copa das Confederações – Instalada no Maracanã , unidade totalizou 46 registros de ocorrência, entre os dias 15 e 30 de junho.

 

JMJ – Montada em Copacabana, delegacia móvel registrou 253 ocorrências, entre 25 e 28 de julho.

 

Rock in Rio 2013 – Unidade instalada em Jacarepaguá realizou 1.127 registros de ocorrências de 13 a 15 de setembro, e entre 19 e 22 de setembro.

 

Governo do Rio

0 comentários