Governo do Estado e Onip vão estudar geração de energia submarina para pré-sal

Estudo pretende vencer um dos principais desafios tecnológicos atuais
 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico firmou parceria com a Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip) e a Usina Termelétrica Governador Leonel Brizola, da Petrobras, para estudar formas de atender a demanda de energia elétrica no fundo do mar, considerada como um dos principais desafios do desenvolvimento do pré-sal.

 

Ao contrário das plataformas de exploração e produção de petróleo existentes hoje, com módulos de geração de energia elétrica a gás incorporados em sua estrutura, os campos gigantes do pré-sal terão a maior parte de seus equipamentos instalados no solo marinho e deverão ser movidos com energia também instalada no fundo dos oceanos.

 

O desenvolvimento dessa tecnologia está integrado ao Cluster de Subsea, que visa integrar os atuais fornecedores desse segmento existente no Estado, além de atrair novas empresas para se instalarem aqui.

 

– De acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o Rio deve receber, nos próximos 10 anos, R$ 12 bilhões para desenvolvimento tecnológico na área de subsea. A estimativa é que, em cinco anos, o número de empresas da cadeia de suprimentos para equipamentos submarinos destinados à produção de óleo e gás dobre no Estado, disse o subsecretário de Energia, Marcelo Vertis.

 

O estudo, que será realizado pela Onip durante um ano, como contratada da Petrobras, envolve recursos de R$ 1 milhão, garantidos através de isenção fiscal. O incentivo é previsto por lei estadual para investimentos em projetos de geração de energia elétrica com fontes alternativas ou em estudos e projetos de energia ou conservação de energia em prédios públicos.

 

Entre os objetivos do estudo, estão a formulação de relatórios sobre o setor de energia e distribuição de energia em ambiente submarino e os equipamentos integrados, e a estimativa da demanda brasileira e internacional por esses equipamentos e sistemas. Além disso, será feito o mapeamento do mercado, abrangendo empresas fabricantes e grandes fornecedores dos equipamentos.

 

Também será realizada uma avaliação dos instrumentos existentes para financiamento e incentivo do setor e, ainda, disponibilizado um relatório final com propostas de ações que garantam a competitividade para operacionalização da produção de equipamentos e prestação de serviços para geração e distribuição de energia e produção submarina de Óleo e Gás no Estado.

 

Entre os tipos de geração que serão estudados estão a eólica, a fotovoltaica e a gerada a partir da movimentação das ondas do mar. O estudo faz parte do Programa Rio Capital da Energia, que incentiva ações ligadas à inovação tecnológica, eficiência energética e redução de emissões.

 

Governo do Rio

0 comentários