Governo do estado lança Plano de Atenção Oncológica

Iniciativa da Secretaria de Saúde, pioneira no país, prevê ações de controle e prevenção ao câncer
 
Monica Almeida, subsecretária de Saúde, Sergio Cortes, secretário de Saúde, Luiz Fernando Pezão, vice-governador, Marcos Moraes, presidente do Conselho de Curadores da Fundação do Câncer, e Luiz Antonio Santini, diretor geral do INCA Fotógrafo: Marcelo Horn

Monica Almeida, subsecretária de Saúde, Sergio Cortes, secretário de Saúde, Luiz Fernando Pezão, vice-governador, Marcos Moraes, presidente do Conselho de Curadores da Fundação do Câncer, e Luiz Antonio Santini, diretor geral do INCA
Fotógrafo: Marcelo Horn

A Secretaria de Saúde e a Fundação do Câncer apresentaram, nesta terça-feira (3/12), o Plano Estadual de Controle, Prevenção e Atenção ao Câncer. Formulada com o suporte de especialistas da fundação, do Inca (Instituto Nacional do Câncer) e da UFRJ (Universidade Federal do Rio), a iniciativa pioneira no país prevê ações nas áreas de educação, atenção básica, tratamento cirúrgico, radioterapia, regulação, sistemas de informação, promoção e prevenção, diagnóstico precoce, quimioterapia, cuidados paliativos e registro do câncer. 

 

 

A expectativa é de que os resultados propostos sejam alcançados em um período de 10 anos, com reavaliações e ajustes periódicos a cada 3 anos. O plano é fruto de um extenso trabalho de mapeamento da rede de serviços especializados existente no Rio de Janeiro. 

 

 

– É um plano de 10 anos feito por uma das instituições mais respeitáveis no Brasil, que é a Fundação do Câncer, junto com o Inca, para que implantemos uma atenção oncológica que deixará de ser exclusivamente por atendimentos de demandas individuais e passará a ser baseada em estudos epidemiológicos internacionais, mostrando a incidência da doença na população – explicou o secretário de Saúde, Sérgio Cortes.

 

Para o vice-governador e coordenador de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão, que acompanhou o lançamento do plano em cerimônia no Palácio Guanabara, a ação governamental em parceria com entidades importantes ligadas ao tratamento do câncer é fundamental para que o estado se torne cada vez mais uma referência na atenção oncológica.

 

– Que a gente faça deste lançamento uma prática para perseguir e perseverar para que sejamos cada vez mais uma referência no diagnóstico e tratamento do câncer – afirmou Pezão. 

 

O câncer é um problema complexo de saúde pública. No Rio de Janeiro, são estimados 47.820 casos novos em 2013, segundo o Inca. De acordo com o consultor médico da Fundação do Câncer, Alfredo Scaff, se detectada precocemente, a doença tem alta taxa de cura.

 

– Esta proposta apresentada é um plano concreto e viável para a realidade do Estado do Rio de Janeiro. Como você organiza a atenção ao câncer? Desde a parte de educação até os cuidados paliativos. É importante destacar que o câncer é uma doença que, quando detectada precocemente, tem uma alta taxa de cura. E é isso que estamos buscando fazer, montar um planejamento e, a partir daí, estruturar um sistema que busque a prevenção e a cura dos pacientes – disse Alfredo.

 

Geocâncer 
O Plano Estadual de Controle, Prevenção e Atenção ao Câncer contará com uma ferramenta para ajudar a mapear a doença no estado. Trata-se do Geocâncer, plataforma online que se propõe a estruturar as informações assistenciais oncológicas de forma georeferenciada, por satélite. Por meio deste sistema será possível acessar a base de dados dos cadastros de prestadores e procedimentos.

 

 

GOVERNO  DO  RIO

 

 

0 comentários