Programa de apoio à conservação do patrimônio cultural tem nova edição

Serão aceitas inscrições de produtoras culturais, organizações não governamentais, organizações sociais, escritórios de arquitetura, empresas de engenharia com especialização em restauração ou cooperativas de artesãos e restauradores
 

A Prefeitura do Rio, por meio do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), recebe até o dia 30 de dezembro inscrições para a segunda edição do Programa de Apoio à Conservação do Patrimônio Cultural. Ao todo serão destinados cerca de R$ 5,6 milhões para apoiar e patrocinar – através de edital – projetos culturais de restauração do patrimônio em imóveis preservados ou tombados da região do Centro Histórico da cidade.

 

O Programa é uma ideia inédita da Prefeitura do Rio. Para Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, o patrimônio da cidade ganhará ainda mais notoriedade:

“A preservação da identidade e da memória de uma cidade está diretamente relacionada à conservação de seu patrimônio cultural. Precisamos valorizar e preservar a nossa história. Por isso, queremos continuar selecionando projetos que revitalizem o patrimônio do Rio”.

Serão aceitas inscrições de produtoras culturais, organizações não governamentais, organizações sociais, escritórios de arquitetura, empresas de engenharia com especialização em restauração ou cooperativas de artesãos e restauradores. Para concorrer a empresa deverá ter sede na cidade do Rio de Janeiro. Não serão aceitas inscrições de pessoas físicas, mesmo sendo os donos dos imóveis. As cotas da Prefeitura do Rio serão de até R$400 mil.

Uma das áreas com o maior número de imóveis tombados e preservados com problemas de manutenção, o Centro é o foco do edital. Os projetos inscritos deverão prever a recuperação de imóveis de quatro Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APACs): Corredor Cultural; Cruz Vermelha; Catumbi e Cidade Nova; e Catete e Glória. Os recursos disponibilizados só poderão ser utilizados em obras que compreendam a restauração de cobertura, fachadas, estruturas dos imóveis, instalações prediais básicas – hidrossanitárias, gás, incêndio e elétrica – e de obras de acessibilidade.

Os inscritos poderão participar com até quatro projetos culturais por CNPJ, deverão ter autorização do proprietário e cada participante poderá ter até no máximo três projetos contemplados. Cada imóvel poderá concorrer com somente um projeto.

Os projetos serão avaliados individualmente e classificados de acordo com a soma da pontuação atribuída pela Comissão de Seleções – formada por representantes do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade.

 

Prefeitura do Rio

0 comentários